Greve da virada

O Brasil parou contra as reformas, o golpe e por Diretas

Greve histórica, com ampla adesão da maioria das categorias de trabalhadores e dos mais diversos setores sociais, vira o jogo contra os golpistas e a destruição do país
:: Fernando Rosa28 de abril de 2017 18:58

O Brasil parou contra as reformas, o golpe e por Diretas

:: Fernando Rosa28 de abril de 2017

O dia começou com ruas vazias, metrôs e ônibus sem circular, comércios e fábricas fechadas, aeroportos parados e clima de domingo na maioria das cidades do país. Ao longo do dia, a greve geral foi ganhando a outra forma de protesto do povo brasileiro, as manifestações de rua, em especial nos grandes centros. “O movimento sindical e o povo brasileiro estão fazendo história hoje”, disse o presidente Lula comemorando o sucesso da greve e defendendo a retomada do crescimento para superar a crise.

Em São Paulo, no ato no Largo da Batata. a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR),líder da Bancada do PT no Senado Federal, disse que “a classe trabalhadora e o povo mandaram um recado ao Congresso e ao Governo contra as reformas e abriram o caminho definitivo rumo às eleições”. Em nota, a presidenta Dilma Rousseff destacou que o povo brasileiro está de parabéns porque “foi às ruas contra um governo golpista que promove o mais brutal ataque aos direitos dos trabalhadores e que compromete o futuro dos nossos filhos e netos, com um retrocesso na previdência que é perverso e sombrio”.

A greve geral abriu uma nova etapa da luta contra o golpe, a destruição dos direitos sociais e o desmonte do Estado brasileiro. “Dezenas de categorias aderiram nos mais diversos ramos da economia, parando transporte, escolas, bancos e indústria em todo o país”, registrou o jornal Brasil de Fato. Segundo o jornal, também aderiram à greve os bancários (em 22 estados), metalúrgicos (sete estados), comerciários (seis estados), eletricitários, químicos, petroleiros e trabalhadores de saneamento básico e dos Correios, entre outras categorias. De acordo com o presidente do CUT, Vagner Freitas, a mobilização envolveu mais de 35 milhões de brasileiros.

A Bancada do PT no Senado Federal se fez presente nas ruas do país,  somando-se às manifestações e apoiando as entidades dos trabalhadores nas principais capitais. No Senado Federal, o senador Paulo Paim (PT-RS) ocupou a tribuna pela manhã desta sexta-feira para exigir, mais uma vez, que o governo retire a “bandalheira” das reformas trabalhista e previdenciária da pauta do Congresso Nacional. Os parlamentares petistas reforçaram nas ruas a parceria com os movimentos sociais em defesa dos direitos dos trabalhadores e das trabalhadoras.

Ao contrário do que tentou “vender” a mídia governista, a greve geral ganhou a adesão de amplos setores, como a OAB, o Conselho Federal de Economistas e a CNBB. Na quinta-feira (27), em nota, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, reunida, no Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida – SP, em sua 55ª Assembleia Geral Ordinária, decidiu “se unir aos trabalhadores e às trabalhadoras, da cidade e do campo, em defesa de seus direitos, particularmente dos 13 milhões de desempregados”. “Ao longo da nossa história, as lutas dos trabalhadores e trabalhadoras pela conquista de direitos contribuíram para a construção de uma nação com ideais republicanos e democráticos”, afirmaram os bispos.

Enquanto a maioria da mídia, em especial a Rede Globo, tentou “esconder” a greve geral, a mobilização da sociedade nas redes sociais levou a hashtag #Brasilemgreve ao top do Twitter. Sem sucesso, jornais e canais de televisão reproduziram inicialmente as ameaças de cortar ponto e outras chantagens, feitas por Temer e de Dória, que chamou os grevistas de “vagabundos”. Durante o dia de hoje, tentaram desqualificar a greve, as entidades e as lideranças, apelando para a condenável linha da criminalização do movimento social, fortalecendo a repressão policial que se verificou em São Paulo, no Rio de Janeiro e em outros estados.

Veja como foi a greve e mobilização:

 

O dia da greve, pelo site do PT Nacional:

http://www.pt.org.br/liveblog/greve-geral-28-de-abril/

 

Em  São Paulo:

#AoVivo Agora quem discursa no carro de som é Gleisi Hoffmann!

Publicado por Lindbergh Farias em Sexta, 28 de abril de 2017

 

Em Recife:

AO VIVO NO RECIFE

Publicado por Humberto Costa em Sexta, 28 de abril de 2017

#AOVIVO – Mais de 200 mil pessoas participam agora da Greve Geral em Recife.#BrasilEmGreve #GreveGeral #RecifeNaGreveGeral

Publicado por Humberto Costa em Sexta, 28 de abril de 2017

 

Em Brasília:

Rodoviária de Brasília e Esplanada dos Ministérios.#BrasilEmGreve #EuApoioAGreveGeral #GreveGeral #EquipeHC

Publicado por Humberto Costa em Sexta, 28 de abril de 2017

Os movimentos Sociais reafirmam que toda solidariedade é necessária nesse momento, porque lutar por direitos não é crime. Crime é perseguir e criminalizar os movimentos sociais.#GreveGeral#ForaTmer

Publicado por Paulo Rocha em Sexta, 28 de abril de 2017

#GreveGeral #BrasilEmGreve Essa é a maior greve da história do país, ela explode pelas ruas e mostra a indignação da nossa gente!

Publicado por Senador Paulo Paim em Sexta, 28 de abril de 2017

 

Em Fortaleza:

#CearáEmGrevePimentel participa de manifestação em Fortaleza

Publicado por José Pimentel em Sexta, 28 de abril de 2017

 

No Rio de Janeiro:

#AOVIVO PM reprime ato dos trabalhadores em frente à ALERJ.

Publicado por Jandira Feghali em Sexta, 28 de abril de 2017

 

Em Natal:

Cem anos após a primeira greve geral realizada no Brasil (1917), contra jornadas de trabalho que variavam de 11 a 16 horas por dia em ambientes insalubres, com a intensa exploração de mulheres, crianças, imigrantes e ex-escravos, a classe trabalhadora realiza uma nova greve geral.

Publicado por Fátima Bezerra em Sexta, 28 de abril de 2017

 

Invasão de sindicato:

WAGNER DA CUT DENUNCIA: PM DE ALCKMIN INVADIU O SINDICATO DOS BANCÁRIOSVagner Freitas, presidente da CUT Brasil, denuncia a invasão do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e região pela PM do governador Alckmin, do PSDB. Ação ilegal, típica de um regime de exceção!

Publicado por Lindbergh Farias em Sexta, 28 de abril de 2017

Leia também