Orçamento impositivo eleva verba da saúde para R$ 147,8 bi em 2018

:: Da redação2 de outubro de 2013 15:55

Orçamento impositivo eleva verba da saúde para R$ 147,8 bi em 2018

:: Da redação2 de outubro de 2013

Relatório apresentado hoje prevê vinculação de receitas da União para saúde.

 

Orçamento Impositivo com a destinação de mais
recursos para a saúde será votado na
próxima semana

Mais de um mês se passou desde a votação, em segundo turno, na Câmara dos Deputados da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que torna obrigatória a execução da proposta orçamentária aprovada pelo Congresso Nacional (PEC 22/2000). Apresentada há treze anos, a proposta já passou pelo Senado, foi profundamente modificada pela Câmara, e ainda desperta muita polêmica.

Agora, tornou-se uma alternativa para assegurar maiores e constantes recursos para o financiamento da Saúde. Na reunião desta quarta-feira (2) da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), o líder do Governo no Senado, Eduardo Braga (PMDB-AM), apresentou seu relatório com um substitutivo ao texto e uma análise profunda do acordo que permitiu chegar a ele. A oposição já havia anunciado que pediria vistas (prazo maior para analisar a matéria).

Ficou definido, então, que o prazo para apresentação de emendas ao texto se encerra nesta sexta-feira (4), às 18h30. A votação na Comissão já está marcada para a próxima terça-feira (8), às 14h30

A PEC 22A/2000 foi aprovada no Plenário da Câmara no dia 27 de agosto, quando recebeu 376 votos a favor e 59 contrários. O problema maior com o texto é que os deputados optaram por não reservar qualquer percentual para a área da saúde. O texto aprovado apenas modifica a Constituição para obrigar o Executivo Federal a liberar recursos para despesas inseridas no Orçamento da União por deputados e senadores, as chamadas emendas parlamentares. Atualmente, cada parlamentar tem direito a indicar R$ 15 milhões em emendas, mas o Governo pode ou não executar os recursos.

O relatório de Eduardo Braga incorpora uma série de emendas – inclusive uma do líder do PT no Senado, Wellington Dias (PI), que exige que a

braga1002_00619g

 Braga acatou emendas dos senadores Humberto
 e Wellington, que elevam os recursos para
 a saúde pública

metade dessas emendas individuais seja destinada às ações e serviços públicos de saúde. E também a de Humberto Costa (PT-PE), que trabalhou junto ao Governo, por meio da Comissão Especial, que debateu novas fontes de financiamento para a Saúde Pública, e que exige uma aplicação mínima de 15% da receita corrente líquida da União (RLC) no setor.

De acordo com a proposta de Braga, esse índice seria atingido de forma progressiva ao longo de cinco anos: “A progressão não implica perdas de qualquer sorte. Pelas regras atuais, a União aplicaria, em 2014, algo como R$ 90,1 bilhões em saúde. Pela regra aqui proposta, esse montante subiria para R$ 96 bilhões. E, assim, sucessivamente, culminando, em 2018, com despesas, em ações e serviços públicos de saúde, da ordem de R$ 147,8 bilhões, contra R$ 125 bilhões, caso mantivéssemos a presente sistemática de cálculo dos recursos mínimos”, explicou o relator.

Progressão
O texto deixa claro que estados e municípios continuarão aplicando 12% e 15%, respectivamente, de sua arrecadação de no financiamento da saúde, conforme foi estabelecido pela Emenda Constitucional nº 29/2000.

Outra preocupação de Humberto Costa acatada pelo relator foi incluir as despesas da saúde cobertas por royalties do petróleo na contabilização do repasse de 15% da RCL da União para o setor. Todo este esforço, conforme acentuou, vai no sentido de reverter a contínua queda no comprometimento da receita líquida federal com a saúde pública.

Veja o quadro com a destinação, setor a setor, proposta pelo relator:

tabela_relatrio_saude 

De acordo com a regra hoje em vigor, a União deve aplicar em saúde o valor das despesas empenhadas no exercício financeiro anterior, acrescido, no mínimo, da variação do Produto Interno Bruto (PIB), ocorrida nesse mesmo exercício. 

O que o substitutivo de Braga propõe é uma regra de progressão para se chegar aos 15% mínimos que a União deverá aplicar no setor de saúde. Eles substituiriam a regra atual e seriam somados aos doze por cento da receita tributaria que Estados e 15% que os Municípios atualmente aplicam.

Essa progressão ocorreria ao longo de cinco exercícios financeiros: 13,2% em 2014; 13,7% em 2015; 14,1% e, 2017; 14,%5 e, 2018 e 15% em 2018.

Para alterar a Constituição, a PEC precisa ser aprovada em duas votações por cada uma das Casas do Congresso Nacional, com votos de pelo menos três quintos de seus integrantes, ou seja, 308 deputados e 49 senadores. Se aprovadas as alterações no Plenário do Senado, a PEC terá de ser votada novamente pelo Plenário da Câmara.

Giselle Chassot

Fotos: Agência Senado 

Conheça o relatório do Orçamento Impositivo
 

Leia mais:

Emenda de Humberto destina “no mínimo” 15% da RCL para saúde
 

Saúde: Humberto quer mais do que 15% para financiar o setor
 

Orçamento impositivo pode garantir recursos para a saúde
 

Debate reforça urgência de mais recursos para a saúde

Leia também