Paulo Paim repudia boatos de que esteja promovendo a ocupação do plenário

:: Da redação9 de maio de 2016 17:20

Paulo Paim repudia boatos de que esteja promovendo a ocupação do plenário

:: Da redação9 de maio de 2016

Paim: isso é uma loucura, uma irresponsabilidade de quem que não tem compromisso com a democraciaAo abrir reunião desta segunda-feira (9) da Comissão de Direitos Humanos (CDH), o senador Paulo Paim (PT-RS), presidente do colegiado, repudiou de forma veemente boatos veiculados na internet de que participantes de audiência pública promovida pela CDH ocupariam o plenário do Senado para impedir a votação da admissibilidade do impeachment da presidenta da República, Dilma Rousseff.

“Se algum maluco resolveu colocar na rede que nós estávamos montando um cavalo de Tróia, é de criação dele essa loucura total. Não existe essa bobagem, essa loucura de que meus convidados seriam homens e mulheres do cavalo de Tróia”, disse. “Isso é uma loucura, uma irresponsabilidade de quem que não tem compromisso com a democracia”, emendou.

O senador lembrou que a CDH está promovendo um ciclo de debates sobre Democracia e Direitos Humanos Direitos, com audiências públicas realizadas desde o início de abril, com dois debates agendados para esta segunda-feira e outros dois marcados para terça-feira (10).

“Os que vierem participar das audiências hoje ou amanhã participarão aqui e vão assistir aos debates [do plenário] de onde acharem mais adequado, mas não de dentro do Senado. É o acordo que temos com presidente do Senado e com a segurança da Casa, e [o acordo] vai ser cumprido na íntegra”, enfatizou.

Ao lembrar que há 30 anos está no Parlamento, primeiro como deputado federal e depois como senador, Paulo Paim afirmou que nunca apoiou movimentos de “invasão” do plenário da Câmara ou do Senado. E como presidente da CDH, disse, tem promovido debates sobre diversos temas e com a manifestação de pessoas com diferentes linhas de pensamento. “Todos têm o direito de expor seu ponto de vista e aqui o debate vai continuar”, frisou.

Com informações da Agência Senado

Leia mais:

Golpe é ruptura e trará retirada de direitos trabalhistas, alerta Donizeti

Juristas citados no relatório de Anastasia apontam pedalada jurídica e subverção a texto original