Parlamentares da CPMI do Cachoeira decidem prorrogar trabalhos

Parlamentares adiaram, no entanto, a decisão sobre por quanto tempo as investigações continuarão. O novo calendário deve sair no dia 30.

:: Da redação16 de outubro de 2012 20:48

Parlamentares da CPMI do Cachoeira decidem prorrogar trabalhos

:: Da redação16 de outubro de 2012

 

A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito que investiga as estranhas relações do contraventor Carlos Augusto Ramos – o Cachoeira não terminará no próximo dia 04/11. Em reunião que terminou há poucos instantes, os integrantes da CPMI decidiram que os trabalhos serão prorrogados mas, como não houve consenso sobre quanto tempo mais será necessário para a conclusão dos trabalhos, uma nova reunião foi marcada para o dia 30 de outubro (uma terça-feira pós-segundo turno das eleições ) para definir o novo calendário.

 

A reunião administrativa desta quarta-feira (17/10), marcada para apreciação e votação de requerimentos de convocação e pedidos de novos depoimentos foi transferida para depois do dia 30.

 

O acordo para a prorrogação dos trabalhos começou a ser costurado na manhã desta terça-feira (16/10) numa reunião dos parlamentares que integram a base do governo. Deputados e senadores petistas defenderam um prazo maior para a apresentação, discussão e debate do relatório. Entre as propostas em discussão, havia a de estender o prazo das investigações por mais trinta dias.

 

Na semana passada, durante a reunião para ouvir o depoimento do deputado Carlos Leréia (PSDB-GO), parlamentares da oposição denunciaram um suposto acordo entre oposição e base governista para enterrar a CPMI. O tal acordo foi negado com veemência por parlamentares das duas alas.

 

Para definir se haveria ou não prorrogação dos trabalhos, o presidente da Comissão, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), marcou para a esta tarde uma reunião de líderes dos partidos para discutir a prorrogação dos trabalhos. De acordo com o calendário inicial, a CPMI seria encerrada no próximo dia 04/11, mas pode ser prorrogada por mais 180 dias. Para que a prorrogação aconteça, são necessárias, no mínimo, 27 assinaturas no Senado e 171 na Câmara, mesmo número que foi preciso para a criação da comissão.

 

Também durante o encontro da semana passada, o relator, deputado Odair Cunha (PT-MG) disse que trabalha com o prazo para a conclusão dos trabalhos, marcado inicialmente para o dia 04 de novembro. “Quando eu digo que estou fazendo o relatório, não trabalho nem com o encerramento nem com a prorrogação. Eu não posso é permitir que a CPMI seja encerrada sem que haja um relatório”, declarou.

 

Giselle Chassot, com informações das agências de notícias

Leia também