Parque eólico aumenta geração de empregos e turismo no extremo sul gaúcho

O Complexo Eólico Campos Neutrais tem investimentos de R$ 3,8 bilhões pelo PAC2. Fotos: Vanderlei TacchioNesta sexta-feira (27), será inaugurado o Parque Eólico Geribatu, que integra o maior complexo eólico da América Latina. A presidenta Dilma Rousseff participará da cerimônia, que acontece no município de Santa Vitória do Palmar, no Rio Grade do Sul, às 15h.

:: Da redação27 de fevereiro de 2015 11:41

Parque eólico aumenta geração de empregos e turismo no extremo sul gaúcho

:: Da redação27 de fevereiro de 2015

O parque, que fica no extremo Sul gaúcho, atende ao consumo energético de aproximadamente 1,5 milhão de habitantes. Os empreendimentos entregues – parque eólico e sistemas de transmissão associados – estão previstos no PAC2 e somam R$ 2,1 bilhões em investimentos.

Mais que o aspecto de reforço energético, o Parque Eólico de Geribatu tem contribuído para o desenvolvimento econômico dos municípios do extremo Sul gaúcho. Além de Geribatu, outros dois parques – Chuí e Hermenegildo – estão em implantação nos municípios de Santa Vitória do Palmar e Chuí. Juntos, formarão o Complexo Eólico Campos Neutrais, gerando aproximadamente 4,8 mil empregos diretos e indiretos, o que tem refletido não só na contratação de mão de obra local, como no aquecimento do comércio e do setor imobiliário das cidades.

“O ganho da nossa cidade foi muito grande com a construção do Parque Eólico Geribatu. Especialmente na geração de emprego, onde várias pessoas puderam ter essa oportunidade. Também na geração de renda para diversos pequenos e médios empreendedores do setor gastronômico, de hotelaria, da construção civil e diversos outros”, enfatiza o prefeito de Santa Vitória do Palmar, Eduardo Morrone.

Segundo o prefeito, a estimativa é de um aumento de aproximadamente 30% na arrecadação com o ICMS, com o início da operação do Parque Geribatu, o que possibilitará mais investimentos em setores básicos como saúde e educação.

Os proprietários das áreas onde estão os parques eólicos, a maioria pequenos produtores rurais, também terão um reforço no orçamento com a remuneração pelo uso da terra por parte do empreendedor, proporcional à receita líquida resultante da geração. Além disso, toda a região é beneficiada com melhoria de estradas e outras compensações previstas nos programas socioambientais dos empreendimentos.

Geração de emprego

Marcos Pereira nasceu em Santa Vitória do Palmar, mas, há sete anos, mudou de cidade em busca de melhores oportunidades de emprego. “Não tinha trabalho aqui em Santa”, conta.

Após constituir família em outra cidade, Marcos ouviu falar da construção do parque eólico e veio tentar a sorte. Em pouco tempo, conseguiu um cargo de auxiliar de cercamento na construção. “Faz seis meses que eu estou aqui. Melhorou a renda, porque eu trabalhava por um salário mínimo e hoje eu posso trabalhar por mais um pouco. Sem falar que hoje eu estou com a minha família por perto, meus dois filhos e a minha esposa. Para mim está sendo ótimo. Espero ficar bastante tempo trabalhando aqui no parque”, comemorou.

Maior Parque Eólico

O Parque Eólico Geribatu, que agrega 258 MW ao Sistema Interligado Nacional (SIN), reúne 129 aerogeradores (2 MW de potência cada), distribuídos em dez usinas, que ocupam uma área de 47,5 quilômetros quadrados.

Geribatu é o maior dos três parques que compõem o Complexo Eólico Campos Neutrais. Os outros são Chuí (144 MW) e Hermenegildo (181 MW), nos quais estão sendo investidos R$ 1,7 bilhão. São quase 170 turbinas eólicas já instaladas em Geribatu e Chuí: 129 e 39, respectivamente. O complexo tem capacidade para atender ao consumo de cerca de 3,3 milhões de habitantes.

Estímulo ao turismo

Um dos segmentos que já tem observado mudanças no cenário econômico da região é o do turismo. As imensas turbinas eólicas têm atraído turistas de várias partes do País e, também, dos vizinhos Argentina e Uruguai. O Centro de Visitantes do Complexo Eólico Campos Neutrais registrou a passagem de mais de 8,3 mil pessoas nos últimos 12 meses.

Leia mais:

Brasil é 4º em produção de fontes renováveis de energia