Pimentel comemora centenário da emancipação de Juazeiro do Norte

Senado abriu a sessão deliberativa desta terça-feira (16/08), homenageando o centenário da emancipação do município de Juazeiro do Norte (CE), que ocorrerá no próximo dia 22.

:: Assessoria do senador José Pimentel16 de agosto de 2011 03:00

Pimentel comemora centenário da emancipação de Juazeiro do Norte

:: Assessoria do senador José Pimentel16 de agosto de 2011

Um dos participantes da sessão comemorativa, o senador José Pimentel (PT-CE), fez um paralelo da comemoração com o anúncio da ampliação da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, feita nesta manhã pela presidenta Dilma Rousseff. Uma das universidades anunciadas será a Universidade da Região do Cariri, que ficará sediada em Juazeiro do Norte. 

“Não teria uma data melhor para fazer a comemoração do que nesta sessão solene, neste dia 16 de agosto, quando o Brasil, a República resolve ampliar a oferta de universidades públicas gratuitas e de qualidade para o nosso povo e uma delas está exatamente sediada na nossa cidade de Juazeiro do Norte, contemplando todo o nosso Cariri, como resultado do campus avançado de Barbalha, do Crato e de Juazeiro”, comemorou Pimentel.

História

Localizado na Região Metropolitana do Cariri, ao sul do Ceará, Juazeiro do Norte conta atualmente com uma população de cerca de 250 mil habitantes, sendo o terceiro município mais populoso do estado.

O município foi emancipado no dia 22 de julho de 1911 e ganhou notoriedade graças ao desenvolvimento de sua economia local, com destaque para o comércio e a indústria de calçados. Além da produção de calçados, o município conta com artesanato em couro e ferro, cordéis e xilogravuras.

Outro atrativo da cidade é sua religiosidade, que atrai milhões de romeiros anualmente em torno da figura de padre Cícero, que foi o primeiro prefeito da cidade.

Juazeiro do Norte era, inicialmente, um distrito da cidade vizinha Crato, até que o jovem Padre Cícero Romão Batista resolveu se fixar como pároco no lugarejo. Padre Cícero começou a fazer os serviços religiosos na cidade e foi um dos responsáveis, tempos depois, pela emancipação e independência do município.

Por conta do chamado “milagre de Juazeiro” (quando Padre Cícero deu a hóstia sagrada à beata Maria de Araújo, e, segundo os populares, a hóstia se transformou em sangue), a figura do padre assumiu características místicas e ele passou a ser venerado pelo povo como santo.

Com Agência Senado

Confira o discurso de José Pimentel

Exmo Sr. Senador Eunício Oliveira, Presidente da nossa sessão, Exmos Senadores companheiros de Ceará, que subscrevem o requerimento para realizar esta sessão solene, nosso Prefeito de Juazeiro do Norte, companheiro Santana – a esse nome grande Raimundo Santana a gente nunca se habitua, Santana. Só queremos chamá-lo sempre, pela intimidade que a gente tem, pela amizade que a gente cativa, de Dr. Santana.

Quero dar um forte abraço no senhor, nosso companheiro Deputado Federal e Coordenador de todos nós do Estado do Ceará, Deputado Arnon Bezerra; um forte abraço no Sr. José Adonis Callou de Araújo Sá, nosso Procurador da República – gosto de falar Procurador da República pelo que representa a palavra e pelo que fazem por este País; um forte abraço no nosso José Roberto Celestino, Vice-Prefeito que tem feito um trabalho significativo, particularmente em torno do aeroporto daquela região; um forte abraço no meu amigo Padre José Venturelli, nosso pastor, nosso Padre que acompanha todo aquele setor fundamental das nossas igrejas do Cariri; um abraço na amiga de todos nós, a nossa Presidenta do Grupo de Comunicação O Povo Luciana Dummar, que muito envaidece todos nós aqui no Congresso Nacional e no Senado Federal pela presença, pelo que representa na formação da opinião pública no nosso Estado, na nossa região; um forte abraço no Sr. Fábio Campos e Arlen Medina, dois jornalistas de muita expressão e credibilidade do nosso Estado, o Ceará – sejam bem-vindos. Quero dar um abraço no nosso Reitor Jesualdo Farias, que hoje premia todo o Ceará, todo o Nordeste, todo o Brasil com mais uma universidade, ao lado de três outras, totalizando quatro – a nossa Presidenta Dilma Rousseff assinou um decreto criando essa universidade. Um abraço nos nossos vereadores. E quero saudar todas as mulheres aqui presentes no nome da Dona Sônia, que é quem tem mais juventude acumulada de todos nós, por isso, representa muito bem as bravas mulheres do Cariri e do nosso Ceará.

Queria começar registrando que Juazeiro do Norte, ao completar seus 100 anos de criação, de emancipação no último dia 22 de julho, não teria uma data melhor, nosso prefeito Santana, para fazer a comemoração do que nesta sessão solene, neste dia 16 de agosto, quando o Brasil, a República resolve ampliar a oferta de universidades públicas gratuitas e de qualidade para o nosso povo e uma delas está exatamente sediada na nossa cidade de Juazeiro do Norte, contemplando todo o nosso Cariri, como resultado do campus avançado de Barbalha, do Crato e de Juazeiro. Portanto, a criação dessa universidade, que era um sonho acalentado há muito tempo por todos nós,

Por todos nós se torna realidade, sem antes não esquecer de que ao longo dos últimos cinquenta anos o nosso Estado, o Estado do Ceará, tinha apenas uma universidade federal em Fortaleza, muito importante. Eu mesmo sou formado em Direito e devo isso à nossa UFC. Aqui, se a gente observar os nossos pares, grande parte da nossa bancada de Deputados Federais e Senadores, todos passaram pelos bancos, como a gente diz, da nossa Universidade Federal do Ceará. E o nosso Jesualdo, ao lado de tantos outros que ali geriram aquela casa, tiveram o cuidado, a partir do início deste século, ou seja, do século XXI, em criar o processo de expansão.

O Presidente Lula criou a Unilab, uma universidade voltada para resgatar a cultura dos irmãos que falam também a língua portuguesa, mas em especial aqueles de cor preta, para resgatar a dívida que o Brasil tem para com os povos africanos, os afrodescendentes, e ela funciona em Redenção. E agora estamos tendo a terceira universidade no Ceará, exatamente no nosso Cariri, sem esquecer que junto com essa universidade que nós estamos criando no Estado do Ceará foram também autorizadas três outras: duas na Bahia e uma no Pará, ou seja, exatamente onde o Estado nacional tinha pouca presença. E ao lado disso estamos também criando mais 120 escolas profissionalizantes, ou seja, nossos Institutos Federais de Tecnologia e desses 6 no Estado do Ceará: 1, em Itapipoca; outro em Paracuru, outro em Maranguape, em Horizonte, Boa Viagem e lá em Acopiara. Nós, que tínhamos apenas 5 escolas técnicas federal, em 2003, no Estado do Ceará, estamos indo agora, com mais essas 6, para 28 escolas técnicas federais, no Estado do Ceará, hoje, os Institutos Federais de Tecnologia.

Lembramos que o nosso Governador Cid Ferreira Gomes está construindo 128 escolas profissionalizantes, e o nosso Cariri é uma região bastante premiada pela presença do governo estadual, do Governo Federal e do poder local no ensino, dando continuidade ao antigo ensinamento do Padre Cícero, que dizia: “Em cada sala, um altar; em cada quintal, uma oficina”. E o binômio fé e trabalho é a base de toda a formação política, cultural daquela região. E essa forma de fazer, como muito bem o nosso Senador Inácio Arruda aqui já fez referência, criamos ali no Cariri e naquela região, em Juazeiro do Norte em especial, um forte polo de pequenos negócios, de pequenos empreendedores. E com a criação do Simples Nacional

E a criação do Simples Nacional é exatamente o forte instrumento que temos tido para enfrentar as grandes crises econômicas em que a humanidade está passando, a sua segunda maior crise econômica. Tivemos em 2008. O Brasil sofreu um pouco, mas com os ensinamentos do Padre Cícero junto aos pequenos negócios, ao empreendedorismo individual, à micro e pequena empresa, e à formação do mercado nacional, nós sofremos um pouco com essa segunda grande crise econômica, mas fomos também um dos primeiros países do mundo a superá-la.

E já no ano seguinte, em 2010, nós gerávamos 2,5 milhões de novos empregos com carteira assinada, empregos de verdade, sobre o saldo que tínhamos em 2009. E quando você analisa esses 2,5 milhões de empregos gerados em 2010, 80% deles estão nas empresas que têm até 99 empregados. E quando a gente analisa a economia da cidade de Juazeiro do Norte, são poucos os estabelecimentos que têm mais de 99 empregados. Não é diferente do Estado do Ceará e nem do resto do território nacional. Se fizermos outro corte nas empresas que têm apenas quatro empregados, daqueles 2,5 milhões de empregos, 52% dos empregos gerados em 2010 estão nas empresas que têm até 4 empregados, que é exatamente a base da economia de Juazeiro do Norte. E é por isso que, quando você abre a geração de emprego no Estado do Ceará, é exatamente este setor da economia, seja em Fortaleza, seja em Juazeiro e nas outras cidades do Ceará, que mais emprega e mais gera emprego.

Nesses sete primeiros meses de 2011, já geramos 1,570 milhão novos empregos com carteira assinada sobre o saldo que tínhamos em dezembro de 2010. E neste 2011, a meta do Estado nacional é gerar novamente 2,5 milhões de empregos a mais. E esta distribuição, até 99 empregados, continua sendo responsável por 80% deste 1,570 milhão empregos que geramos em 2011.
Quando a gente analisa a economia do nosso Juazeiro do Norte, eu não esqueço nunca os atos praticados na década de 1990, em que tivemos que desativar a metade da agência do Banco do Brasil naquela cidade, porque não tínhamos negócios, não tinha quem quisesse tomar dinheiro emprestado. E tivemos que tirar dali dois terços dos bancários naquela cidade porque não tinha negócio a ser firmado no Cariri.

A partir de 2003, com essa decisão política de acreditar nas famílias brasileiras, nos pequenos negócios, no povo brasileiro e esse grande projeto que o nosso Presidente Luiz Inácio Lula da Silva abraçou nós hoje terminamos de inaugurar, no mês de julho, a terceira agência do Banco do Brasil na cidade de Juazeiro do Norte, ou seja, num curto de espaço de tempo, uma cidade que em 1997 teve que vender, desativar, a metade do prédio que tinha, porque era ocioso e vendemos para o Poder Judiciário agora, em 2011, passa a ter três agências exatamente em face da pujança, do crescimento econômico daquela região.

Temos ali outros bancos públicos, a exemplo do BND, da Caixa Econômica Federal, um conjunto de bancos privados, o Bradesco, o Itaú e tantos outros que ali têm seus negócios. Isso mostra exatamente, nosso Prefeito Santana, a Fortaleza o que V. Exª está fazendo por aquele Município, porque não tem investimento público e privado onde não tem também uma gestão voltada para este processo e é isso que o nosso Padre Cícero sempre desejou de todos nós de que fôssemos capazes de desenvolver a região, aglutinar, gerar trabalho e melhorar a qualidade de vida.

Quando analisamos a construção de um complexo de saúde pública como aquele que o nosso Governador Cid Ferreira Gomes fez em Juazeiro um grande hospital de referência regional que inauguramos e parte está começando a entrar em funcionamento e, ao mesmo tempo, estamos contratando os trabalhadores do setor da saúde para ali exercerem sua atividade. Isso demonstra a preocupação que o Poder Público tem para com a saúde dos mais pobres, dos mais sofridos, como muito bem sabe V. Exª nosso prefeito, de que aquele público tinha que se deslocar ora para Recife ora para Fortaleza, aproximadamente 550 Km à procura de saúde de média e alta complexidade quando não conseguia ser atendido nas nossas fundações ali de Barbalha.

Agora, com aquele grande complexo de saúde pública, além de oferecer boas condições para formação da mão de obra dos nossos profissionais de saúde, em especial de medicina, em dois cursos muito importantes que temos na região: um na nossa Universidade Federal do Ceará e outro numa universidade particular que ministra e forma mão de obra e ajuda muito na saúde do nosso povo.
Quando a gente vai para o mundo da agricultura familiar, que é a base da agricultura no Cariri, está sendo construída uma Ceasa para poder aglutinar toda a produção, agregar valor à agricultura familiar e diminuir o preço para as famílias que precisam daqueles produtos.
Se você vai para o mundo

Se você vai para o mundo da moradia, porque todos querem ter um local para morar…
Juazeiro do Norte é uma cidade que recebe centenas de milhares de homens e mulheres e famílias. Em especial aqueles que chegam à terceira idade e que se aposentam, após receber o benefício da nossa Previdência Social, o seu grande desejo é estar próximo da imagem do Pe. Cícero, da sua estátua, é receber as suas bênçãos, ter a sua casa própria e esperar que o nosso Criador possa nos levar.

Exatamente por isso, através do Programa Minha Casa, Minha Vida, a nossa Prefeitura se preparou. Mais de 1.000 moradias estão sendo construídas e um conjunto de outras sendo agendadas, contratadas, exatamente para que possamos gerar emprego, gerar riqueza e, acima de tudo, fazer com que quem tenha uma sala tenha um altar, quem tenha um quintal, tenha um negócio, mas que tenha uma casa maior também para morar, porque hoje as exigências são outras.
Exatamente por isso, nosso Senador Inácio Arruda, nosso Senador Eunício Oliveira, acredito que já fizemos muitas sessões solenes, mas reputo uma das mais importante exatamente esta em que estamos referenciando uma cidade que nasceu da fé, nasceu na teimosia, cresceu e hoje é um orgulho de todos nós.
Para finalizar, queria registra que o Grupo O Povo, nesse anuário de 2011, resolveu homenagear exatamente os 100 anos da nossa Juazeiro do Norte. Por isso, nossa Presidente Luciana Dummar, não teria momento melhor para entregar, pedir ao Senado Federal para que leve para a biblioteca desta Casa para que, daqui a 100 anos, quando outros cearenses Senadores aqui estiverem, possam lembrar dos 100 anos em que comemoramos o aniversário de Juazeiro e dizer que Inácio Arruda, Eunício Oliveira e José Pimentel eram Senadores.
Com as bênçãos de Deus, queremos estar aqui cada um com uma bengalinha dizendo: “Duzentos anos, também presentes.”
Muito obrigado! (Palmas.)

Fonte: Assessoria de Imprensa da Liderança do PT no Senado

Leia também