Pinheiro destaca papel do Brasil para a produção de alimentos no mundo

Pinheiro: produção agropecuária é decisiva para a balança comercial e a inflaçãoA situação da agricultura brasileira, em especial da agricultura familiar, foi tema de discurso do senador Walter Pinheiro (PT-BA) na manhã desta quinta-feira (05). O parlamentar aproveitou apresentação feita pouco antes, na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA), pelo ministro do Desenvolvimento Agrário, Miguel Rossetto, para chamar a atenção sobre a importância que Brasil alcançou na produção de alimentos e a atuação do Governo Federal no apoio a esse protagonismo. Pinheiro é membro suplente da CRA.

:: Da redação5 de junho de 2014 19:55

Pinheiro destaca papel do Brasil para a produção de alimentos no mundo

:: Da redação5 de junho de 2014

“É importante lembrar o aumento do investimento, a política adotada a fim de incentivar a infraestrutura para escoar a produção e, principalmente, a postura para que pudéssemos enfrentar inclusive as barreiras internacionais e até o protecionismo de alguns lugares”, avaliou o senador, que considera um erro contrapor a grande agricultura e a agricultura familiar. “Eu diria que elas são mais que complementares.” O agronegócio brasileiro responde por 22% do produto interno bruto nacional, o equivalente a R$ 918 bilhões.

O senador, da tribuna, citou a destinação de recursos governamentais para agricultura familiar, cujo valor saltou de R$ 2 bilhões, em 2002, para R$ 22 bilhões, na safra passada. E, segundo o ministro Rossetto informou hoje na CRA, esse segmento contará com R$ 24,1 bilhões em financiamento para o próximo período de produção, entre 2014 e 2015. No último dia 19, a presidenta Dilma Rousseff anunciou o Plano Agrícola e Pecuário, que prevê a destinação de R$ 156 milhões em créditos para produtores rurais, aumento de 893% em relação a 2002.

O governo federal, por meio do Plano Safra de Agricultura Familiar, estimula, em todo o País, esse segmento específico para promover o crescimento da produção de alimentos, com maior geração de renda e com a adoção de técnicas agrícolas sustentáveis. A estratégia de atuação prevê a ampliação da capacidade de investimento, a proteção e a melhoria do ganho dos empresários rurais, o incremento da produtividade, a articulação de políticas públicas, o acesso aos mercados, o estímulo à sustentabilidade e o apoio à juventude rural.

Exportações

Pinheiro, do plenário do Senado, também se referiu à atuação do governo federal para viabilizar as exportações de alimentos. Hoje, conforme o Ministério da Agricultura, o açúcar é exportado para 129 países, a carne bovina chega a 141 destinos diferentes e a produção de frango é distribuída para 152 países. De acordo com estimativa das Organizações das Nações Unidas (ONU), até 2050 a produção agropecuária mundial terá que aumentar em 60% para sustentar dignamente população projetada de 9,6 bilhões de habitantes.

“Estamos falando de uma área que é decisiva para a nossa balança comercial, para a exportação, é decisiva para a inflação, é decisiva para os preços dos produtos que chegam à mesa do povo brasileiro”, alertou o senador. “Portanto, é verdade que nós ampliamos muito, é verdade que agora, inclusive quando a Presidente Dilma anuncia seu Plano Safra para a Agricultura, ela dá um alento e abre uma perspectiva nova, cria outra condição, mas é necessário ajustar a isso uma série de fatores.”

O senador baiano citou reunião recente, da CRA, que teve como tema disputa que Brasil e Estados Unidos travaram, na Organização Mundial do Comércio (OMC), sobre o comércio do algodão – a decisão final foi favorável ao Brasil. “Fiquei perplexo porque há uma posição muito firme do estado americano, e correta, defendendo seus interesses”, avaliou o parlamentar da Bahia. “Eu não propus, naquele momento, nenhum tipo de retaliação, mas propus coisas que podemos inclusive fazer também: a proteção do nosso solo, a proteção das nossas produções e, ao mesmo tempo, a defesa dos nossos interesses”, concluiu.

Luís Cláudio Cicci

Leia também