Pinheiro destaca pautas prioritárias para os próximos quatro anos

Economia, educação, saúde, segurança pública e reforma política são os temas que devem estar entre os focos dos parlamentares, segundo o petista

Após a sessão da posse dos 27 senadores eleitos em outubro, neste domingo (1º), o senador Walter Pinheiro (PT/BA) destacou as pautas que considera prioritárias do Congresso Nacional para os parlamentares trabalharem na 55ª Legislatura (2015-2019). Segundo Pinheiro, os congressistas devem focar em pelo menos cinco pontos, em conjunto com o governo da presidenta Dilma Rousseff.

:: Da redação3 de fevereiro de 2015 14:28

Pinheiro destaca pautas prioritárias para os próximos quatro anos

:: Da redação3 de fevereiro de 2015

 

O primeiro ponto é a economia. “É necessário criar um diálogo com a área econômica e avançar com o pacto federativo, com incentivos para a indústria e com posições muito claras em relação a cortes, custeio e investimentos”, disse.

Já na educação, Pinheiro destacou a prioridade definida pela presidente Dilma.  “É preciso agora traduzir a ‘Pátria Educadora’ em ações dentro do Congresso”, apontou.

Outro destaque para Pinheiro é eleger com o Executivo as ações que o legislativo pode contribuir na área da Saúde, “como o fortalecimento da rede de atendimento para garantir na ponta a execução do programa Mais Médicos, seja com a destinação de mais recursos ou ainda a capacitação dos profissionais”.

Na segurança pública, ele acredita que é necessário definir como será patrocinado o diálogo com os Estados, dentro do cenário de a União absorver uma responsabilidade que hoje é dos Estados. “Como foi sinalizado pela presidenta Dilma, o governo federal pretende ampliar o combate ao crime e à violência em parceria com os demais entes federativos, fortalecendo a segurança pública. A partir daí, o Congresso Nacional também precisa dar sua contribuição, criando as condições para que isto aconteça”, destacou.

O quinto ponto é a reforma política. “É preciso trabalhar uma proposta que acabe com a reeleição e tente moralizar o financiamento das campanhas”, explicou.

Assessoria do senador Walter Pinheiro