Plenário rejeita mudança para suplentes e PT cobra reforma política de verdade

O Plenário do Senado rejeitou, na noite desta terça-feira (9), a proibição de que os suplentes de senadores tenham parentesco com os titulares do cargo. A Proposta de Emenda à Constituição 37/2011, do senador José Sarney (PMDB-AP), também reduzia de dois para um o número de suplentes de cada senador, além de determinar que, em caso de impedimento do titular, estes fossem substituídos pelos suplentes apenas até a próxima eleição geral, quando seria escolhido um novo senador. A bancada do PT votou a favor da matéria e reivindicou a apreciação de uma reforma política ampla.

:: Da redação10 de julho de 2013 01:10

Plenário rejeita mudança para suplentes e PT cobra reforma política de verdade

:: Da redação10 de julho de 2013

O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) havia proposto ao plenário votar sua proposta (PEC 55/2007), que estabelece eleições diretas para os suplentes. Esse é o terceiro projeto apresentado por Suplicy com o mesmo teor, desde seu primeiro mandato, iniciado em 1991. “Acredito que a PEC 37/2011 não resolvia a questão de um suplente desconhecido, que não passou pelo crivo do voto popular, vir a se tornar senador, no caso do impedimento do titular”, ponderou Suplicy. Porém, com a derrota da proposição, Suplicy pediu para que sua emenda seja apreciada em nova data.

“Entendo que todos os membros dessa casa devam ser eleitos democraticamente e indago aos senhores que vieram da suplência se não se

9251932260_c2b6dc860b

 Suplicy irá insistir na eleição direta para os
 suplentes de senadores

sentiriam melhor se tivessem sido votados pelo povo”, apelou o senador paulista.

Já o líder do PT, senador Wellington Dias (PI), cobrou de seus colegas a apreciação de vários temas relacionados à reforma política. Para ele, PEC dos suplentes não seria suficiente para dar uma resposta aos anseios da população, que tem avaliado de maneira muito desfavorável a política e os políticos. “O ideal é que pudéssemos promover uma reforma política muito mais profunda, que aperfeiçoasse o sistema como um todo. Resolver questões isoladas é bom, mas não é suficiente”.

9251925586_6b6928c9e2

Para Wellington Dias, PEC dos suplentes não
atende demanda da sociedade por uma
reforma política

Para Wellington, deveria ser o conjunto dos cidadãos a ter a palavra definitiva sobre as mudanças no sistema político. “Foi neste sentido que a presidenta Dilma propôs e o PT defende a realização do plebiscito, para que a população dissesse como quer que funcione o sistema político. A nós, parlamentares, caberia receber essas determinações do plebiscito e implementar as mudanças definidas pelo voto popular”.

Os senadores Walter Pinheiro (PT-BA) e Delcídio do Amaral (PT-MS) também lamentaram a votação ocorrida. Em um duro desabafo, Delcídio pediu para o Senado “votar coisas importantes para o País”, que atendam às demandas de uma sociedade pós inclusão social. “Estamos votando coisas absolutamente irresponsáveis”, disse alertando para a necessidade do controle fiscal sobre o impacto financeiro das medidas aprovadas e para atender efetivamente às necessidades da população. “Temos que preparar o Brasil para depois dessa inclusão social”, disse.

A bancada do PT no Senado defende a realização de um plebiscito para consultar a população sobre os temas da reforma política. O partido vê como fundamental, por exemplo, a aprovação do financiamento público das campanhas eleitorais para restringir o domínio financeiro sobre os políticos e para combater a corrupção. Outros temas como a fidelidade partidária e o voto lista estão entre as iniciativas do PT.

Cyntia Campos

Leia também