População quer atendimento mais humano na saúde, diz Dilma

:: Da redação29 de agosto de 2013 21:04

População quer atendimento mais humano na saúde, diz Dilma

:: Da redação29 de agosto de 2013

Dilma: Mais Médicos “vai assegurar que as pessoas mais pobres também tenham acesso à saúde”

“Nós fizemos esse programa porque é visível que existe uma reclamação de que a saúde tem um problema no atendimento e na busca de um atendimento mais humano”, assim resumiu a presidenta Dilma Rousseff, nesta quinta-feira (29), a necessidade de ampliar o número de médicos disponíveis no País para atender a população em todos os municípios brasileiros, por meio do programa “Mais Médicos”.

“Houve um chamamento para que os médicos pudessem preencher as vagas nos locais onde não existe nenhum médico”, explicou Dilma aos presentes à cerimônia de formatura do Pronatec Brasil Sem Miséria, realizada em Campinas.

“Obviamente o Brasil necessita de mais médicos”, disse Dilma, ao relatar dados de países que possuem mais médicos em relação aos habitantes.

De acordo com números apresentados pela presidenta, o Brasil possui 1,8 médicos para cada mil habitantes. Em países vizinhos como Argentina e Uruguai essa relação é de 3,2 médicos por mil habitantes e 3,7 médicos por habitantes, respectivamente. Além disso, Dilma relatou que 1,7 % dos médicos que atuam no Brasil são estrangeiros ou se formaram fora do País. Enquanto isso, na Inglaterra esse índice chega a 37%. 

Dilma ainda relatou que o Governo Federal, num segundo momento, pretende ampliar o número de especialistas no Brasil como: ginecologistas, geriatras, pediatras e oncologistas.

“Vamos abrir 11 mil vagas de graduação e 12 mil de residência para combinar todas as formas de melhoria de saúde da população. Iremos assegurar que as pessoas mais pobres também tenham direito ao acesso à saúde”, relatou.

Leia mais:

Dilma condena preconceito com médicos estrangeiros

Padilha: Governo não tolera preconceito contra médicos estrangeiros

4 mil médicos cubanos trabalharão em 701 cidades

“Resistência a médicos cubanos é xenofobia”

Leia também