Portos baianos registram recorde de movimentação em 2014

A movimentação de cargas nos portos baianos foi recorde em 2014, com destaque para o de Aratu, que movimentou mais de 6,4 milhões de toneladas, num crescimento de 11,5% em relação a 2013.

:: Da redação6 de fevereiro de 2015 13:45

Portos baianos registram recorde de movimentação em 2014

:: Da redação6 de fevereiro de 2015

O balanço final do exercício de 2014 antecipado pela Secretaria de Portos também registra recordes de movimentação de carga nos portos de Salvador (mais de 4 milhões de toneladas, 9,7% a mais do que em 2013) e de Ilhéus (506 mil toneladas, crescimento de 27,8%).

“Atingimos esse resultado, porque adotamos uma política de atuação conjunta do poder público e a iniciativa privada em defesa do segmento portuário baiano. Ao mesmo tempo, nos portos públicos, desenvolvemos uma estratégia comercial agressiva, que nos possibilitou atrair para a Bahia a produção de outros estados e a diversificação dos produtos da nossa pauta de operação” explicou o presidente da Companhia das Docas do Estado da Bahia (Codeba), José Muniz Rebouças.

O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) tem promovido importantes investimentos no setor portuário brasileiro. Em Salvador, por exemplo, o PAC investiu R$ 980 milhões desde 2009, para empreendimentos como a construção da Via Expressa, e a dragagem e ampliação do quebra-mar.

“Os investimentos realizados tornaram o Porto de Salvador atrativo e competitivo, eliminado por completo o tempo de espera para atracação, além da maior agilidade na operação, em função da modernização dos seus equipamentos”, disse Rebouças.

Do total investido no porto de Salvador, R$ 800 milhões são do setor público, incluindo R$ 450 milhões para a Via Expressa, R$ 100 milhões da dragagem e R$ 98 milhões para a obra de ampliação do quebra-mar, já licitada e com início previsto para março de 2015.

A movimentação de cargas nos portos públicos e terminais de uso privado (TUPs) no Brasil aumentou em 10% em 2014, num total de 40 milhões de toneladas.

Fonte: Assessoria de imprensa do senador Walter Pinheiro