desprezo com os pobres

Redução do Auxílio empurra um milhão para Bolsa Família

Corte pela metade do auxílio emergencial, feito pelo governo em agosto, agravou crise: a fila de cadastros para recebimento do Bolsa Família chegou a 1 milhão no mês de setembro, mesmo patamar do ano passado, quando o governo deixou 1 milhão de famílias à espera de assistência social, aponta a ‘Folha’. Fim do auxílio a partir de janeiro irá agravar quadro de miséria e pobreza no país
:: Agência PT de Notícias4 de dezembro de 2020 14:38

Redução do Auxílio empurra um milhão para Bolsa Família

:: Agência PT de Notícias4 de dezembro de 2020

Mesmo com o avanço da pandemia do coronavírus, que acentua o quadro da crise econômica e sanitária, o governo de Jair Bolsonaro atua como se o país não estivesse em situação de emergência. O corte pela metade o auxílio emergencial em agosto, abandonando milhões de famílias à própria sorte, trouxe resultados imediatos:  a fila de cadastros para recebimento do Bolsa Família chegou a 1 milhão no mês de setembro. É o mesmo patamar do ano passado, quando o governo deixou 1 milhão de famílias à espera de assistência social em função de cortes no programa. A informação foi publicada esta semana em uma reportagem da ‘ Folha de S. Paulo’.

O fim do auxílio, a partir de janeiro, irá agravar o quadro de miséria e pobreza no país. A ‘Folha’ lembra que o Ministério da Cidadania suspendeu a análise dos requerimentos para acesso ao Bolsa Família durante o pagamento do auxílio emergencial no valor de R$ 600 por pessoa.

Segundo o jornal, a tendência da fila é subir ainda mais, de acordo com técnicos do próprio governo. “A crise econômica provocada pelo novo coronavírus e a possibilidade de uma segunda onda na pandemia, segundo eles, devem aumentar a pobreza no país”, relata o jornal.

O aumento no orçamento do Bolsa Família para o ano que vem, de R$ 32,5 bilhões em 2020 para R$ 34,9 bilhões, será insuficiente para o tamanho da crise que se avizinha. De acordo com dados do governo, 14,28 milhões de famílias são cobertas pelo programa mas o orçamento de 2021 é suficiente para cobrir 15,2 milhões de famílias, um sinal claro de que parcela significativa da população ficará de fora do atendimento do programa.

Além disso, a substituição do Bolsa Família pelo auxílio emergencial, durante o tempo de vigor do benefício, não cobriu todos os inscritos no programa de transferência de renda criado durante os governos do PT. Segundo revelou a ‘Folha’, no mês de junho, 49 mil famílias – das 522,6 mil que estavam na fila – não estavam cadastradas para receber o auxílio emergencial. “Portanto, apesar de estarem em situação de pobreza ou extrema pobreza, não recebiam, na época, nenhum benefício”, denunciou o jornal.

De acordo com a ‘Folha’, o programa não consegue atender todos os requerentes desde meados do ano passado, quando não havia pandemia. Quando cadastros já aprovados pelo governo ficam mais de 45 dias sem uma resposta definitiva, forma-se a fila. Ou seja, mesmo aprovados, na prática, as famílias ficam de fora do programa.

Confira a íntegra da matéria

 

Leia também