Reforma tributária

Reforma tributária de Guedes é para arrebentar com trabalhador

O próprio ministro da Economia declarou que o governo não trabalha para aumentar a arrecadação, mas única e exclusivamente para reduzir encargos trabalhistas. A luta de classe nunca se expressou de forma tão clara por um governo conservador
:: Agência PT de Notícias10 de agosto de 2020 10:46

Reforma tributária de Guedes é para arrebentar com trabalhador

:: Agência PT de Notícias10 de agosto de 2020

O ministro da Economia, Paulo Guedes, cometeu novo ato de ‘sincericídio’ ao confessar, durante uma videoconferência para a Fundación Internacional para la Libertad (FIL) que o governo não pretende aumentar a arrecadação de impostos com a reforma tributária apresentada ao Congresso Nacional, mas reduzir os encargos trabalhistas para beneficiar empresas. É a expressão de que o governo Bolsonaro tem lado: o lado das empresas.

“Como não temos espaço fiscal para eliminar o imposto sobre o trabalho (contribuição sobre a folha), ao menos vamos reduzir alguns desses impostos e essa é a razão pela qual estamos considerando criar um outro imposto”, disse. A declaração foi reproduzida pela agência de notícias Reuters e foi feita na quinta-feira, 7 de agosto. É uma excrescência.

Nova CPMF
Durante sua participação na ‘live’, com declarações dadas em inglês, Guedes disse que não é correta a informação de que o novo imposto, que ele se recusa a chamar de nova CPMF, viria para bancar iniciativas populistas. “O novo imposto está sendo desenhado e estudado exatamente para substituir o imposto cruel sobre o trabalho que produziu 40 milhões de invisíveis nas ruas no Brasil”, declarou.

Concentração de renda
O senador Jean Paul Prates (PT-RN) lamenta o fato de Guedes não tratar da taxação da riqueza e do patrimônio e grandes fortunas no país. “Nosso modelo tributário é o grande alimentador da concentração de renda e da consequente desigualdade”, opina. “Metade da riqueza das famílias brasileiras, cerca de R$ 8 trilhões, pertence a apenas 1% das famílias”, aponta.

Ele lembra que, em 2019, o Brasil registrava 206 bilionários, com patrimônio avaliado em R$ 1,2 trilhão, antes da pandemia. Na outra ponta, 25 milhões de pessoas viviam naquele ano com apenas R$ 117 por mês. Outros 28 milhões de brasileiros tinham renda média de R$ 243 mensais e mais 23 milhões contam com apenas R$ 534 por mês.

“A reforma tributária que o Brasil precisa terá que inverter a lógica injusta atualmente em vigor, cobrando imposto sobre as altas rendas, a riqueza e o patrimônio de quem está no topo da pirâmide e aliviando a carga sobre a grande massa de assalariados e sobre o consumo”, avalia o parlamentar.

Confira a íntegra da matéria

Leia também