Revista do Senado projeta trabalho de Wellington Dias

“Em Discussão!” reúne as audiências públicas comandadas por senador do PT que debate flagelo das drogas

:: Da redação14 de setembro de 2011 21:05

Revista do Senado projeta trabalho de Wellington Dias

:: Da redação14 de setembro de 2011

O trabalho realizado pela Subcomissão Temporária de Políticas Sociais sobre Dependentes Químicos de Álcool, “Crack” e Outros (CASDEP), presidida pelo senador Wellington Dias (PT-PI), foi publicado na oitava edição da revista Em Discussão!, lançada nesta quarta-feira (14/09) durante reunião da Comissão de Assuntos Sociais (CAS).

Nesta edição, a publicação do Senado traz um diagnóstico sobre as drogas no cotidiano dos brasileiros, o tratamento dos dependentes químicos e a reinserção social a partir das discussões realizadas nas audiências da subcomissão. “A revista traz reportagens que vão além da cobertura que o Senado faz nos seus demais veículos de comunicação. Mostra o que está acontecendo no Brasil de forma atualizada. É um instrumento importante para a formação de ideias e propostas sobre esse assunto”, afirmou Wellington Dias.

Prorrogação dos trabalhos
Durante a sessão de lançamento da revista, o senador Wellington Dias também informou que os trabalhos da CASDEP tiveram prazo estendido. A Comissão criada em 29 de março deste ano e que teria 90 dias para apresentar sugestões nesta área, funcionará até 11 de novembro.

Ao final dos trabalhos, o senador reforçou o interesse de construir com o Governo Federal, uma conferencia nacional para tratar do tema e incitar a criação de um sistema intersetorial que cuide da prevenção, atendimento, reinserção e acompanhamento de dependentes químicos. “Temos no Brasil, cerca de 18 milhões de pessoas dependentes de algum tipo de droga. Precisamos de um forte investimento nessa área. Desejamos que o Brasil tenha um sistema coordenado por alguém ligado diretamente ao presidente”, defendeu o senador.

Ações futuras
A próxima reunião da Subcomissão será realizada amanhã, às 14h30, no auditório da Comissão de Assuntos Sociais. Além disso, o senador anunciou que será realizada visita técnica, no mês de outubro, para Suécia, Holanda, Portugal e Inglaterra. O objetivo da viagem é avaliar as experiências adotadas por esses países, para avaliar qual se adapta melhor a realidade brasileira.

Propostas em discussão pela Subcomissão:

* Realizar conferência nacional, com todos setores envolvidos, para elaborar uma política completa;

* Financiar as comunidades terapêuticas com recursos da União;

* Apoiar a elaboração de padrões mínimos de organização às comunidades terapêuticas;

* Dar à Secretaria Nacional de Política sobre Drogas (Senad) status de ministério para trabalhar com as demais pastas, estados e municípios;

* Controlar as drogas lícitas, com maior restrição à venda, inclusive com maior taxação, e à propaganda de bebidas alcoólicas e de tabaco, dificultando o acesso dos jovens;

* Aumentar o orçamento da Polícia Federal para reforçar a atuação nas regiões de fronteira;

* Envolver centrais sindicais e Sistema S na reinserção dos dependentes.

O flagelo do crack:

* Segundo a ONU, o mercado do crack movimentou US$ 100 bi em 2009;

* A fumaça inalada após o aquecimento da pedra de crack a 95 graus leva cloridrato de cocaína diretamente aos pulmões. Dez segundos depois, a substância já está no cérebro;

* Pesquisadores afirmam que efeito do crack no cérebro é de cinco a seis vezes mais intenso que o da cocaína;

* No Brasil, o primeiro relato de uso do crack foi feito em 1989, na cidade de São Paulo;

* Comunidades terapêuticas dizem recuperar entre 40% e 80% dos viciados;

* Um ano e três meses depois do anúncio do Plano Integrado de Enfretamento ao Crack, governo investiu R$ 274,3 milhões dos R$ 410 milhões prometidos.

Ouça a entrevista do senador Wellington Dias

{play}images/stories/audio/wellington_revista_1409.mp3{/play}

Clique com o botão direito para baixar o áudio

 

Rafael Noronha com informações da Agência Senado

Saiba mais

Veja a edição da revista Em Discussão!


 

Leia também