Revista Veja mente, de novo, e tem resposta de Edinho Silva

“Mais uma vez a revista Veja levanta inverdades e acusa sem fundamento e provas”, lamenta EdinhoO deputado estadual Edinho Silva (PT-SP), responsável pelas finanças da candidatura da presidente Dilma à reeleição, reagiu indignado à matéria publicada na edição desta semana da revista Veja, mais uma vez alimentando inconformistas com a derrota nas urnas, em outubro passado. Nunca é demais lembrar que a revista tentou manipular o resultado das eleições com veiculação de notícia falsa tentando incriminar a candidatura de Dilma Rousseff – e que foi condenada pela justiça eleitoral. Desde então, todas as semanas utiliza a liberdade de imprensa para veicular especulações e insultos à inteligência com supostas “afirmações” de fontes sempre não identificadas, todas elas criminalizando o PT, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a presidenta Dilma. Na edição desta semana, de novo, a revista insinua que o PT teria recebido recursos desviados da Petrobras como doação para a última campanha eleitoral. “Mais uma vez a revista Veja levanta inverdades e acusa sem fundamento e provas”, lamentou Edinho Silva, na nota oficial divulgada assim que a revista começou a circular no final de semana.

:: Da redação23 de fevereiro de 2015 15:31

Revista Veja mente, de novo, e tem resposta de Edinho Silva

:: Da redação23 de fevereiro de 2015

 

O ex-tesoureiro do comitê de Dilma reafirmou que toda a arrecadação para campanha presidencial de 2014 seguiu estritamente a lei.. “Prova disso é a aprovação por unanimidade das contas da campanha pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), após rigorosa auditoria”, lembrou Edinho Silva.

 

Entenda o caso
Na edição que chegou às bancas no último final de semana, Veja traz como matéria de capa o que seriam as supostas declarações que o empresário Ricardo Pessoa, preso na esteira da Operação Lava Jato teria “feito chegar” à revista e que seria “um resumo” do que ele “estaria disposto a contar” à Justiça, caso consiga um acordo de delação premiada. Na impossibilidade de entrevistar Ricardo Pessoa — informação escamoteada ao longo do texto — e de verificar quaisquer indícios da veracidade das supostas declarações, a revista, como de hábito, recorre a “fontes próximas” ao preso para lançar suspeitas sobre as doações da UTC recebidas legalmente pela campanha.  O que Veja não conta é que a empresa também fez contribuições a outras campanhas, “inclusive do PSDB, que teve como candidato o senador Aécio Neves”, como lembra a nota de desmentido à reportagem.

 

A UTC fez três doações à campanha de Dilma Rousseff em 2014, em três datas diferentes. O valor total dessas contribuições foi de R$ 7,5 milhões. “As doações recebidas na campanha Dilma estão dentro do estabelecido pela legislação, conforme declarado e aprovado pelo TSE”, afirma o ex-tesoureiro, destacando que o comitê de Dilma não recebeu doações da UTC efetuadas por intermédio do Partido dos Trabalhadores.

 

Veja a íntegra da nota de Edinho Silva à Veja:

 

“Mais uma vez a revista Veja levanta inverdades e acusa sem fundamento e provas.

 

A campanha de reeleição de Dilma Rousseff reafirma que toda a sua arrecadação para campanha presidencial de 2014, foi realizada de forma ética e transparente, conforme previsto na legislação eleitoral.

 

Prova disso é a aprovação por unanimidade das contas da campanha pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), após rigorosa auditoria.

 

A UTC foi uma das doadoras da campanha presidencial, assim como foi de outras campanhas eleitorais, inclusive do PSDB, que teve como candidato o senador Aécio Neves.

 

A empresa efetuou doações em três datas diferentes no valor total de R$ 7,5 milhões para a campanha de reeleição da presidenta Dilma Rousseff. As doações da campanha Dilma estão dentro do estabelecido pela legislação, conforme declarado e aprovado pelo TSE.

 

A campanha da presidenta Dilma Rousseff não recebeu doações da UTC efetuadas por intermédio do Partido dos Trabalhadores.

 

O deputado denuncia e repudia a tentativa da revista Veja de, a qualquer custo, vincular a campanha da presidenta Dilma às investigações efetuadas na Petrobras, chegando à tentativa de criminalizar doações legais. Sem qualquer fundamento coloca em suspeição as contas de campanha já auditadas e aprovadas pelo órgão máximo da Justiça Eleitoral desse país.

 

Edinho Silva – Deputado estadual”