Saúde: Humberto quer mais do que 15% para financiar o setor

Senador falou nesta quarta sobre a proposta do Governo de destinar 15% das líquidas da União para a Saúde. “Isso não é um teto, é um piso”.

 

:: Da redação25 de setembro de 2013 18:16

Saúde: Humberto quer mais do que 15% para financiar o setor

:: Da redação25 de setembro de 2013

A proposta é boa, até porque garante um
aporte adicional de R$ 44 bilhões nos
próximos cinco anos, mas Humberto
acredita ser possível obter mais e em
menos tempo

Unir todos os projetos que tratam do financiamento da saúde em um texto que destine 15% da receita corrente líquida da União, do ano em curso, para o setor. Essa é proposta do Governo que está em análise no Congresso Nacional. O relator da Comissão Especial que debate novas fontes de recursos para o setor, Humberto Costa (PT-PE), avalia que a proposta é boa, até porque garante um aporte adicional de R$ 44 bilhões nos próximos cinco anos. Mas ele acredita ser possível obter mais e em menos tempo.

Segundo o Governo, a vinculação seria escalonada: 13,2% em 2014; 13,7% em 2015; 14,1% em 2016; 14,5% em 2017 e, finalmente, 15% em 2018. Humberto quer garantir os 15% até, no máximo, 2017 e vai apresentar uma emenda na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) propondo o parcelamento. Nesta quarta-feira (25), Humberto fez um apelo aos senadores para que apresentem “emendas, muitas emendas”, para melhorar ainda mais a o texto.

“A proposta representa um avanço em relação ao que tínhamos”, avaliou Humberto, lembrando que a pressão dos movimentos sociais trouxe a discussão para o Congresso e chamou a atenção do Governo para a necessidade de se garantirem recursos exclusivos e seguros para o setor.

“Não é teto”
O senador, que trabalha pelo reforço de caixa para a saúde pública desde que ocupou o Ministério da Saúde, ainda no início do Governo Lula, demonstrou não estar inteiramente satisfeito, mas não desanima: “É importante estabelecer que 15% da arrecadação vão obrigatoriamente para a saúde, mas isso não é um teto, é um piso”, enfatizou, explicando que, na negociação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de cada ano, é possível negociar acréscimos anuais. “O que importa é que os recursos não podem ser menores que esses 15%”, disse.

wellington_intena404ac16b03_z

A proposta do Governo já pode ser considerada
“uma grande vitória”, porque vai muito além da
realidade atual

Na semana que vem, a proposta deve ser votada na CCJ, inserida na Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que estabelece o Orçamento Impositivo e determina que 50% dos recursos de emendas parlamentares devem ser destinados obrigatoriamente ao setor.

Para o líder do PT no Senado, Wellington Dias (PT-PI), a proposta do Governo já pode ser considerada “uma grande vitória”, porque vai muito além da realidade atual, que sequer assegura a obrigatoriedade de destinação de recursos da União para a saúde, como acontece com estados e municípios, de acordo com o que determina a Emenda 29.

Giselle Chassot

Leia mais:

Em discussão: Saúde pode ter três novas fontes de financiamento

Humberto: recursos para a saúde sairão via acordo ou proposta do Congresso

Orçamento impositivo pode garantir recursos para a saúde


Leia também