Suplicy: avançam negociações sobre substituição tributária do ICMS

Segundo o senador, acordo definiu lista com mercadorias que permanecerão sujeitas ao regime

:: Da redação24 de abril de 2014 00:06

Suplicy: avançam negociações sobre substituição tributária do ICMS

:: Da redação24 de abril de 2014

Suplicy destaca que
entendimento preserva micro
e pequenas empresas e
gestão fiscal de estados e
municípios

Em discurso na noite desta quarta-feira (23), o senador Eduardo Suplicy (PT-SP) afirmou que um acordo firmado entre o Ministério da Fazenda, a Secretaria das Micro e Pequenas Empresas, o Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) e o Comitê Gestor do Simples Nacional possibilitará a aprovação em plenário do projeto de lei do Senado (PLS) nº 323/2010, que veda a substituição tributária do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para as empresas optantes do Simples Nacional.

“O texto acordado procura refletir o equilíbrio entre posições consagradas na nossa Constituição, de promover o desenvolvimento das micro e pequenas empresas e os empregos por elas gerados, bem como a gestão fiscal dos estados e municípios que têm nas receitas do ICMS uma das principais fontes de financiamento”, afirmou.

O relatório do projeto, de autoria do senador Armando Monteiro (PTB-PE), foi aprovado na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) no dia 8 de abril. Naquela data os senadores concordaram em promover mudanças em plenário – e nesse período negociações seriam feitas para estabelecer quais produtos vão integrar a lista que podem usufruir da substituição tributária.

“A recomendação do senador Armando Monteiro é alterar a Lei Complementar 123 que instituiu em 2006 o Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, partindo da premissa de que o substitutivo proposto consolida todas as alterações necessárias”, disse o parlamentar representante de São Paulo.

De acordo com Suplicy, a maior concordância de opiniões se deu na identificação das mercadorias que devem permanecer submetidas integralmente ao regime de substituição tributária, como aquelas onde a produção é concentrada em poucos fabricantes e sua distribuição pulverizada por um amplo leque de empresas varejistas. O senador também explicou que a lista final contempla mercadorias consideradas importantes pelos estados, seja por sua representatividade na arrecadação ou pelo papel que a substituição tributária exerce ao afastar a possibilidade de sonegação.

O senador observou que a medida poderá causar um impacto negativo nas finanças do estado de São Paulo equivalente a R$ 3,5 bilhões por ano. “Trata-se de uma estimativa preliminar, mas a partir dela é possível inferir o risco potencial de queda de receita por conta de dificuldades de fiscalização e cobrança de operações não mais sujeitas à substituição tributária”, salientou.

A substituição tributária do ICMS que o PLS nº 323/2010 propõe vedar, no caso das micro e pequenas empresas, é um mecanismo usado pelos governos estaduais quando atribui a um contribuinte a responsabilidade pelo pagamento do imposto devido por seus clientes ao longo da cadeia de comercialização e de circulação das mercadorias. Quando uma indústria vende para um atacadista, a substituição tributária implica em o atacadista ser o responsável pelo recolhimento do ICMS ao fisco estadual.

Acontece, porém, que alguns estados estavam utilizando o regime da substituição tributária para incorporar mercadorias genuinamente negociadas por micro e pequenas empresas, o que no final das contas significava o aumento dos impostos para esse segmento da economia. Nos debates na CAE alguns senadores observaram que estados como o Paraná, por exemplo, concederam benefícios fiscais para grandes empresas com base na substituição tributária do IMCS e, ao mesmo tempo, aumentou as alíquotas pagas pelos optantes do Simples Nacional.

Marcello Antunes

Leia também