Suplicy cobra recursos para Serra da Capivara

:: Da redação15 de março de 2012 20:06

Suplicy cobra recursos para Serra da Capivara

:: Da redação15 de março de 2012

O SR. EDUARDO SUPLICY (Bloco/PT – SP. Pronuncia o seguinte discurso. Sem revisão do orador.) – Srª Presidenta, Senadora Marta Suplicy, gostaria, nesta tarde de hoje, Srªs Senadoras, Srs. Senadores, de aqui tornar público uma carta, que estou encaminhando, juntamente com o Senador Wellington Dias, do PT do Piauí, ex-Governador do Piauí, à Presidenta Dilma Rousseff, assim como também à nossa Ministra do Meio Ambiente, Izabella Mônica Vieira Teixeira, a respeito do Parque Nacional da Capivara, no Piauí.

“Senhora Presidenta,
Ao cumprimentá-la cordialmente, encaminhamos a Vossa Excelência cópia de mensagem eletrônica que nos foi enviada pela Doutora Niède Guidon, arqueóloga que vem prestando ao nosso país valorosa contribuição, acompanhada de mensagem da jornalista Marta Teresa Tajra, para as quais pedimos sua especial atenção.
As referidas mensagens versam sobre assunto de extrema relevância, qual seja, a intervenção desse Governo em prol da manutenção do Parque Nacional Serra da Capivara, no Piauí, patrimônio cultural da humanidade, tombado pela Unesco em 1991.
O Parque Nacional Serra Capivara teve múltiplas motivações ligadas à preservação de um meio ambiente e de um dos mais importantes patrimônios de nossa Pré-História, além de seu valor turístico, que certamente contribui para o desenvolvimento da região.
Com uma história geológica, climática e biológica complexa, depois de criado, o Parque Nacional esteve abandonado durante dez anos por falta de recursos federais, fato que culminou na quase devastação da fauna e flora, por meio da caça, desmatamento, exploração do calcário e da depredação de sítios arqueológicos e paleontológicos.
A Doutora Niède Guidon, cuja pesquisa sempre foi voltada à arqueologia brasileira, coordena os trabalhos realizados naquele Parque, ao qual dedicou toda a vida. O resultado dessa dedicação promoveu a criação do mais moderno museu de pesquisa arqueológica da América do Sul.
O inestimável trabalho da Doutora Niède culminou com a apresentação da teoria de que o homem habita a região há aproximadamente 50.000 anos, abrigando, assim, uma das maiores concentrações de sítios catalogados com pinturas rupestres do mundo.
Com sérios problemas de saúde, a Doutora Niède teme que seu trabalho e nosso patrimônio sejam abandonados e destruídos, pois a população local ainda não tem a real noção de seu valor.
Argumentos para a manutenção do Parque Nacional Serra da Capivara são inesgotáveis, razão pela qual submetemos o assunto a sua análise, ocasião em que solicitamos a valiosa oportunidade de Vossa Excelência receber a Doutora Niède Guidon, para tratar da necessidade premente de sua preservação, no Palácio do Planalto. Caso considere possível, a Doutora Niède Guidon também ficaria muito feliz de recebê-la no Parque Nacional Serra da Capivara.
Colocamo-nos à disposição, na ocasião, para participar da reunião de Vossa Excelência com ela.
Antecipadamente gratos pela atenção dispensada, na oportunidade renovamos votos da mais alta estima e consideração.
Senador Eduardo Matarazzo Suplicy e Senador Wellington Dias.”


Gostaríamos de registrar a mensagem que a jornalista Marta Teresa Tajra nos enviou.

“Sou a jornalista que entrou em contato com o Deputado Nazareno Fonteles (do PT – Piauí) para pedir sua interferência junto à Presidente Dilma, no sentido de atender a Drª Niède Guidon, que passa por grandes dificuldades para manter o Parque Nacional Serra da Capivara, como constatou por telefone e por e-mail da própria. Gostaria de salientar aqui que, ela também passa por dificuldades de saúde, está com mais de 80 anos (30 deles dedicados a este projeto no Piauí) e com um diagnóstico impreciso de médicos locais. Está se tratando na França atualmente, pois não acredita mais na medicina do Brasil. Por isso, o meu empenho em recorrer a alguém que tenha poder junto à presidência, pois em nível local (estadual), tudo já foi tentado, mas não foi conseguido o suficiente. A política aqui ainda é [um tanto difícil].”

E logo mais, estão também as palavras da arqueóloga Niède Guidon, sobre a dificuldade de obter verbas federais para o Parque Nacional Serra da Capivara, no sudeste piauiense, patrimônio cultural há humanidade tombado pela Unesco, e onde existe a maior concentração de pinturas rupestres do Brasil, por onde entrou o primeiro homem das Américas. Diz a Drª Niède Guidon.

“O que acontece é que durante todos esses anos eu conseguia resolver os problemas.
Tinha como chegar até o Palácio do Planalto, conhecia ministros e outros altos funcionários.
Desde que o Lula entrou não consegui nunca uma entrevista com a Dilma, quando ela estava na Casa Civil. Eu queria justamente falar com ela, que me parece ser uma mulher inteligente, sobre o problema de não termos um orçamento fixo. Mostrar o que o Parque significa para o Brasil e que, com o aeroporto, seremos autossustentáveis.
Infelizmente, marquei 5 vezes e, quando chegava a Brasília, ela não podia me receber, eu falava com o chefe de gabinete que dizia que ia transmitir a ela e nada!
No fim desisti!
E sempre, quando faltou dinheiro, coloquei do meu. Fiz empréstimos no banco, em meu nome! Gabriela e Gisele também ajudaram em momentos difíceis.
Mas eu não posso mais ficar colocando o meu dinheiro porque estou gastando muito com meus problemas de saúde.
E fico pensando: quem poderá me substituir? Quem estará disposto a passar por esse stress terrível, colocar seu próprio dinheiro para manter algo que deve ser mantido pelo Governo Federal? Como um país, sexta potência mundial, que passou na frente do Reino Unido, não tem dinheiro para manter um Parque Nacional, patrimônio da humanidade?
Se alguém tiver como me conseguir uma audiência com Dilma eu vou, e vejamos. Mas acho temerário continuarmos neste sistema de tentar continuar dependendo de doações, da boa vontade de alguém!
Ou terminam já o aeroporto para podermos nos liberar da falta de dinheiro, ou nos dão um orçamento fixo! Como está não dá mais para continuar.”


Aqui está o veemente apelo da Srª Niède Guidon, que há pouco ainda me informou que amanhã o Globo Repórter apresentará uma reportagem especial sobre o Parque Nacional da Serra da Capivara, no Piauí. Eu inclusive vi algumas imagens e se trata de um lugar belíssimo.
Publicações da revista online Pesquisa Fapesp e da Fundação Museu do Homem Americano, a primeira, com textos de Marcos Pivetta, nos dão algumas informações adicionais sobre aquele parque.
“Em 1973, a brasileira Niède Guidon, então pesquisadora do Centre National de La Recherche Scientifique (CNRS) em Paris, era assistente da grande arqueóloga francesa Annete Emperaire, que procurava vestígios do homem mais antigo das Américas.”

(A Srª Presidente faz soar a campainha.)

O SR. EDUARDO SUPLICY (Bloco/PT – SP) –
“Annete já havia estado na Patagônia e, em solo brasileiro, seu maior interesse era a região de Lagoa Santa, nos arredores de Belo Horizonte, onde se acreditava estarem os resquícios mais antigos de ocupação humana em terras nacionais. “(…) Gosto do Piauí por causa das pinturas (rupestres), que são muito bonitas”, disse então Niède a Annete. “Preparo tudo para você ir a Lagoa Santa, mas vou para o Piauí.” Foi e nunca mais saiu da região de São Raimundo Nonato, no sudeste do Estado. Para sua surpresa, além de incontáveis manifestações de arte pré-histórica em mais de mil sítios arqueológicos descobertos, deparou – que ironia – justamente com o que dizia tanto odiar: indícios de presença humana no Nordeste muito mais antigos do que jamais alguém esperaria achar.
Segundo Niède, o material arqueológico resgatado até agora no Piauí – alvo de controvérsias entre os estudiosos – indica que o homem chegou à região há cerca de 100 mil anos. A pesquisadora acredita que o Homo sapiens deve ter vindo da África por via oceânica, atravessando o Atlântico.”

(Interrupção do som.)


O SR. EDUARDO SUPLICY (Bloco/PT – SP) –
“Niède dedicou 40 anos a trabalhos científicos e de preservação cultural e ambiental desenvolvidos no Parque Nacional Serra da Capivara, criado em 1979 e considerado patrimônio cultural da humanidade pela Unesco.
Os cortes nas verbas federais, que obrigaram à demissão de muitos funcionários, deixam todo o patrimônio natural do parque à mercê de uma exploração sem limites. “Algumas espécies desapareceram totalmente e os caçadores ultimamente estão ganhando a parada”, comentou Niède.
Grande parte das pinturas da Serra da Capivara contém representações de animais em movimento, sobretudo de capivaras (animal que dá nome ao parque, embora não exista na região desde antes da chegada de Niède) e de veados. Desenhos de figuras humanas também não são raridades. ‘Vemos humanos muito expressivos, em atos do dia a dia’, exemplificou. ‘Temos muitas representações sexuais, de parto, de danças. É uma verdadeira história em quadrinhos gravada na pedra.’ Às vezes, sinais geométricos ou mãos usadas como carimbo aparecem nas pinturas.”

Sr. Presidente, requeiro que seja transcrito o restante desse documento que completa a informação a respeito do Parque Nacional da Serra da Capivara. Recomendo a todos os Senadores e a todos que acompanham nossos trabalhos que visitem esse belo Parque Nacional da Serra da Capivara, patrimônio histórico do Brasil.

Meus cumprimentos, Sr. Presidente. Espero que a Presidenta Dilma e que nossa querida Ministra Izabella Teixeira possam atender meu apelo e, inclusive, visitar o Parque Nacional da Serra da Capivara.
Muito obrigado.

*********************************************************************************
DOCUMENTO A QUE SE REFERE O SENADOR EDUARDO SUPLICY EM SEU PRONUNCIAMENTO.

(Inserido nos termos do art. 210, inciso I e § 2º, do Regimento Interno.)

*********************************************************************************

Matéria referida:
– “Arqueóloga diz que o Homo sapiens já estava no Piauí há 100 mil anos” (Pesquisa Fapesp).

Leia também