Suplicy defende fim do preconceito contra o povo cigano

Senador destacou contribuição cultural desse povo e sua habilidade na lida com o cobre

:: Catharine Rocha8 de abril de 2014 19:52

Suplicy defende fim do preconceito contra o povo cigano

:: Catharine Rocha8 de abril de 2014

O senador Eduardo Suplicy, nesta terça-feira (8), citou em plenário a celebração do Dia Internacional dos Povos Romani, os ciganos. Suplicy observou que apesar do reconhecimento e projeção alcançados por esse grupo nos últimos dez anos, no Brasil, ainda existe muito preconceito. Segundo o parlamentar, esse sentimento é fruto de visão equivocada que ameaça o livre trânsito dos ciganos, enreda situação social tão dramática quanto inaceitável e inspira medo e insegurança nesse povo.

“Desalentadoramente, esse parece ser o caso das populações ciganas em todo o mundo. Estigmatizados como povo errante, obstinadamente itinerante e sem aptidão para o trabalho fixo”, ressaltou o petista representante de São Paulo no parlamento. “A rigor, a inospitalidade tem prevalecido onde quer que aportem no mundo, gerando ambiente de isolamento político, econômico, social, educacional, cultural e recreativo”, completou.

Suplicy ponderou que os ciganos, historicamente, contribuíram culturalmente para a formação dos povos. Na Brasil, mas especificamente em Minas Gerais, exemplificou o senador, os ciganos deram importante contribuição para o desenvolvimento de técnicas de manipulação e arte com o cobre. “Não por acaso, tanto turistas quanto cidadãos mineiros exaltam a forma e a beleza com que os alambiques, os tachos, os artesanatos e outros utensílios domésticos são produzidos a partir das elaboradas técnicas ciganas de exploração do cobre”, enfatizou.

Conquistas
O senador destacou que o Brasil, atualmente, encontra-se na vanguarda de políticas públicas voltadas para os ciganos. Segundo informações apresentadas pela Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR), houve nos últimos dez anos significativos avanços tanto na legislação que trata desse segmento, como no seu acesso a programas sociais e serviços públicos. Tal resultado pode ser verificado na publicação Brasil Cigano: Guia de Políticas Públicas para Povos Ciganos, e no crescente fortalecimento político desse povo tradicional, com a presença ativa de seus representantes no debate sobre políticas públicas.

Outro marco das conquistas do povo cigano, no Brasil, foi a realização da I Semana Nacional dos Povos Ciganos. No evento, realizado em 2013, centenas de representações ciganas de diferentes etnias e regiões reuniram-se em Brasília para debater, junto com gestores públicos de diversas áreas e instituições, políticas públicas. O resultado foi a definição de uma pauta de reivindicações.

Faz parte desse documento a construção de estratégias para garantir a participação em instâncias de controle social, como os conselhos municipais, estaduais e nacionais. Há também as demandas de que o Ministério da Educação inclua conteúdo adequado sobre a cultura cigana nos materiais didáticos e da criação de  escolas específicas para as crianças da etnia. Por fim, reivindica-se a garantia da geração de emprego e renda, ao lado de campanhas sistemáticas de combate ao preconceito aos ciganos.

“Temos um desafio social pela frente. A partir de uma experiência que esperamos ser bem-sucedida, em função das políticas implementadas hoje pela Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Social, quem sabe não exportaremos nosso know-how para outros países ainda tão obstinadamente intransigentes com os povos ciganos”, sinalizou Eduardo Suplicy.

O povo cigano em números
No Brasil, de acordo com a SEPPIR, o primeiro registro oficial da chegada de ciganos data de 1574, ditado por um decreto do governo português ao deportar um casal para terras brasileiras. Pelos estudos, nota-se que o Brasil acolheu pelo menos três etnias ciganas: Calon, Rom e Sinti, cada uma com origem geográfica, língua e costumes próprios.

Com base nos mais recentes levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IGE), estima-se que haja em torno de 500 mil ciganos no Brasil abrigados em acampamentos ciganos espalhados por 291 municípios de 21 Estados. Minas Gerais, Bahia e Goiás reúnem as maiores concentrações desses acampamentos. Hoje, 40 prefeituras declararam o desenvolvimento de políticas públicas para os povos ciganos.

Catharine Rocha

Leia mais:

Direitos Humanos: Fórum busca aproximar população do debate

Comunidades defendem políticas públicas voltadas para as minorias


Leia também