Pandemia

TCU desmente Bolsonaro em sua tentativa de se eximir das mortes

“Não há informações em relatórios do tribunal que apontem que ‘em torno de 50% dos óbitos por Covid no ano passado não foram por Covid’, conforme afirmação do Presidente Jair Bolsonaro”, diz o TCU
:: Agência PT de Notícias8 de junho de 2021 09:06

TCU desmente Bolsonaro em sua tentativa de se eximir das mortes

:: Agência PT de Notícias8 de junho de 2021

O TCU (Tribunal de Contas da União) desmentiu a tentativa do presidente Bolsonaro de fugir da responsabilidade pelas mortes ocorridas no Brasil durante a pandemia. Acuado pela CPI da Covid, Bolsonaro fez uso de um relatório do tribunal para questionar o número de óbitos no ano passado por Covid. No cercadinho do Palácio, aos seguidores, disse existir relatório “de um tal de TCU” afirmando que “50% dos óbitos por Covid não foram por Covid”.

No final desta segunda-feira (7), por meio de postagem no Twitter (veja abaixo), o TCU esclareceu que o relatório citado por Bolsonaro não existe. “O TCU esclarece que não há informações em relatórios do tribunal que apontem que ‘em torno de 50% dos óbitos por Covid no ano passado não foram por Covid’, conforme afirmação do Presidente Jair Bolsonaro divulgada hoje”, diz o texto do tribunal.​

 

Além de mentir sobre a informação, Bolsonaro também afirmou que cuidará pessoalmente de dar publicidade ao suposto relatório, por meio de jornalistas aliados. “Eu tenho três jornalistas que eu converso, que são pessoas sérias. Já passei para eles. Eu devo divulgar hoje à tarde. E como é do Tribunal de Contas da União, ninguém queira me criticar por causa disso. Isso aí muita gente suspeitava”, disse.

De acordo com a colunista Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo, o ministro Benjamin Zymler, que é o relator no TCU de assuntos relativos à epidemia do novo coronavírus, informou, logo depois a colegas, que a informação de Bolsonaro não era verdadeira.

No relatório citado por Bolsonaro, técnicos do tribunal, na verdade, afirmam que as mortes por problemas respiratórios subiram no Brasil, bem como por problemas cardiovasculares, para os quais a Covid-19 pode ter contribuído.

Leia também