Vaccari: “Ansiava pela oportunidade de prestar os esclarecimentos”

:: Da redação6 de fevereiro de 2015 13:22

Vaccari: “Ansiava pela oportunidade de prestar os esclarecimentos”

:: Da redação6 de fevereiro de 2015

Alvo de uma campanha sistemática da mídia que tenta envolver seu nome e o do próprio Partido dos Trabalhadores em atos de corrupção, o tesoureiro nacional do partido, João Vaccari Neto, sentiu-se aliviado após ser chamado a prestar depoimento à Polícia Federal no âmbito da Operação Lava-Jato. Em nota pública, Vaccari desabafou ao afirmar que há muito tempo ansiava pela oportunidade de dar esclarecimentos e, de maneira cabal, demonstrar inúmeras impropriedades publicadas pela imprensa conservadora nos últimos meses.

Na mesma data – 5 de janeiro – em que Vaccari atendeu à determinação da Justiça, o presidente do PT, Rui Falcão, manifestou estranheza por ocorrer justamente no dia do encontro nacional do partido e na véspera das comemorações de 35 anos do partido.

“Trata-se de uma tentativa de criminalização, uma coisa induzida, que vem sendo feita há muito tempo com interesse de criminalizar o PT e nossos integrantes”, enfatizou Falcão em conversa com jornalistas ontem. E Vaccari, categoricamente, garantiu que todas as perguntas feitas pelo delegado foram esclarecidas. “Respondi a tudo com transparência, lisura e total tranquilidade”, disse ele. 

Para desgosto daqueles que diuturnamente torcem para que o PT e seus representantes e dirigentes sejam responsabilizados por atos de corrupção, Vaccari sequer foi indiciado pelo delegado que tomou seu depoimento, Maurício Moscardi.

Toda a direção partidária vê mais um motivo para comemorar os 35 anos de existência do partido do povo e para o povo que inaugurou a partir de janeiro de 2003, pelas mãos de Lula, uma verdadeira revolução social no Brasil, exatamente pelos programas sociais inclusivos que são referência mundial de combate à miséria e à pobreza. Isso reforça os motivos para comemorar, mostrando que o caminho é correto, por mais que ajustes pontuais sejam feitos.

NOTA PÚBLICA

O advogado de Vaccari, Flávio D´Urso, divulgou nota pública na qual afirma que o dirigente ansiava pela oportunidade de dar esclarecimentos na investigação e demonstrar as impropriedades publicadas pela imprensa em relação ao caso. “O PT não tem caixa dois, nem conta no exterior, não recebe doações em dinheiro e somente contribuições legais ao partido, em absoluta conformidade com a Lei, sempre prestando as respectivas contas às autoridades competentes”, diz o documento.

ÍNTEGRA

João Vaccari Neto, secretário de Finanças do Partido dos Trabalhadores – PT, por sua defesa, vem a público para dizer que há muito ansiava pela oportunidade de prestar os esclarecimentos que nesta data foram apresentados à Polícia Federal, para de forma cabal, demonstrar as inúmeras impropriedades publicadas pela imprensa nos últimos meses, envolvendo seu nome.

Reitera, mais uma vez, que o Partido dos Trabalhadores – PT, não tem caixa dois, nem conta no exterior, que não recebe doações em dinheiro e somente recebe contribuições legais ao partido, em absoluta conformidade com a Lei, sempre prestando as respectivas contas às autoridades competentes.

Sua defesa registra, ainda, que o Sr. Vaccari permanece à disposição das autoridades, para prestar todos e quaisquer esclarecimentos, e que sua condução coercitiva, desta data, entendeu-se desnecessária, pois bastaria intimá-lo, que o Sr. Vaccari comparece e presta todas as informações solicitadas, colaborando com as investigações da operação “Lava Jato”, como sempre o fez.

São Paulo, 05 de fevereiro de 2015.

Prof. Dr. Luiz Flávio Borges D’Urso

NOTA OFICIAL DO PT

A assessoria de imprensa do PT reitera que o partido recebe apenas doações legais e que são declaradas à Justiça Eleitoral. As novas declarações de um ex-gerente da Petrobras, divulgadas hoje, seguem a mesma linha de outras feitas em processos de “delação premiada” e que têm como principal característica a tentativa de envolver o partido em acusações, mas não apresentam provas ou sequer indícios de irregularidades e, portanto, não merecem crédito. Os acusadores serão obrigados a responder na Justiça pelas mentiras proferidas contra o PT.

Assessoria de imprensa do PT

Com informações da Agência PT de Notícias