Defesa do Patrimônio

“Vão deixar vender todas as estatais?”, questiona Jean Paul

Senador afirmou que além da saúde e da educação, Brasil tem setores estratégicos que precisam ser fortalecidos
:: Assessoria do senador Jean Paul Prates20 de outubro de 2020 10:17

“Vão deixar vender todas as estatais?”, questiona Jean Paul

:: Assessoria do senador Jean Paul Prates20 de outubro de 2020

O senador Jean Paul Prates (PT-RN) defendeu, mais uma vez, a importância da Petrobras e das agências reguladoras para o Brasil. Ele participou ativamente, nesta segunda-feira (19), da reunião da Comissão de Infraestrutura do Senado que sabatinou indicados para a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) e para a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

Jean Paul afirmou que além da saúde e da educação, o Brasil tem setores estratégicos que precisam ser fortalecidos pelo Estado brasileiro, como por exemplo, os setores de recursos naturais, meio ambiente e infraestrutura. Durante a reunião, ele deixou claro que a ANP precisa reconhecer como essencial a manutenção da Petrobras no país.

“O Congresso tem acompanhado de perto a discussão, por exemplo, da venda de refinarias da Petrobras. Sabemos que essas refinarias não são iguais e não foram feitas para competir entre si. Diante disso questiono: O que a ANP fará para um eventual comprador dessas refinarias caso cita-se lesado? Esse comprador vai receber uma refinaria livre para fazer o que quiser com ela e, depois, vai receber uma notícia da ANP e do CADE, que ele terá algumas obrigações, como garantir o abastecimento do mercado e reservar cotas para pequenos distribuidores de combustível”, lembrou.

Ao questionar os indicados para os cargos de diretores da ANP, o parlamentar indagou: “Vocês vão continuar reconhecendo a importância dos setores estratégicos e da existência de um braço estatal para cuidar deles? Ou vão deixar passar a boiada, vender todas essas estatais, todas as suas presenças nesses setores estratégicos como já aconteceu em outras áreas que a gente não considera tão estratégicos?”.

Confira a íntegra da matéria

Leia também