Viana classifica como “absurda” ilação de seu envolvimento com o mensalão

:: Da redação2 de agosto de 2012 18:04

Viana classifica como “absurda” ilação de seu envolvimento com o mensalão

:: Da redação2 de agosto de 2012

O senador Jorge Viana (PT-AC) foi veemente em refutar insinuações publicadas na imprensa acreana que tentavam ligá-lo às supostas irregularidades praticadas em torno do chamado “mensalão”. Em nota divulgada nesta quinta-feira (02/08), ele atribuiu a ilação a “pessoas inescrupulosas” que tentam atingir sua honra e manchar sua história política.

“É absurdo alguém achar que eu tive algum envolvimento, direto ou indireto com o mensalão”, disse, ao registrar que nenhum político do PT do Acre ou citado durante as CPIs ocorridas no Congresso, nas investigações da Polícia Federal ou acusações do Ministério Público, mas lembrando que “esse esquema de caixa 2 nasceu no governo do PSDB em Minas Gerais”.

A nota de esclarecimento, enviada à direção do site ac24horas foi imediatamente publicada, em paralelo com a retirada do texto que trazia a ilação de que o caso do dito mensalão “poderia respingar em Jorge Viana”, sem qualquer prova ou indício.

Para o senador, a nota de esclarecimento, além de reafirmar seu respeito pelos acreanos, também é uma de suas obrigações como homem público. “Quem, com honestidade, abraça a causa política, tem o dever de prestar contas de suas atitudes e sua vida”, afirma, para, em seguida, detalhar como construiu seu patrimônio pessoal, “fruto de empréstimos juntos a instituições financeiras”. “Político honesto não ganha dinheiro com política e nem ocupando cargos públicos”, enfatizou

Veja a íntegra da nota do senador Jorge Viana

Nota de esclarecimento

Lamento profundamente que pessoas inescrupulosas, mais uma vez, venham tentar atingir minha honra e manchar minha história política.

Quem, com honestidade, abraça a causa política, tem o dever de prestar contas de suas atitudes e sua vida. E é em respeito ao povo acreano, amigos e familiares, que trago meu posicionamento sobre a matéria veiculada neste site.

1 – Ocupei os cargos mais importantes de Rio Branco e do Acre, por mais de uma década, e quando saí do governo, meu patrimônio era de aproximadamente R$ 600 mil, sendo que R$ 300 mil eram relativos às dívidas contraídas – uma junto à Caixa Econômica Federal para reforma da minha casa e outra para aquisição de um carro. Político honesto não ganha dinheiro com política e nem ocupando cargos públicos.

2 – Fora do governo do Acre, a partir de janeiro de 2007, não ocupei nenhum cargo público, e, pela minha capacidade técnica e de gestão, fui convidado para trabalhar na iniciativa privada. Graças a Deus, trabalhei muito e, nos quase quatro anos que atuei na iniciativa privada, fui tão bem sucedido quanto fui na política. Presidi o Conselho de Administração da Helibrás e ajudei a realizar a maior transformação da história dessa empresa: nova fábrica, novos equipamentos, triplicamos o número de empregos e, quando saí, fui reconhecido como um dos responsáveis pela nova Helibrás, que hoje é a maior fábrica de helicópteros da América Latina. Criei e participei de conselhos de outras grandes empresas nacionais e multinacionais, fui muito bem remunerado pelo meu trabalho, e, como sempre fiz, cumprindo a lei, registrei todos os meus ganhos e alterações patrimoniais no meu Imposto de Renda, junto à Receita Federal.

3 – Sobre a história do mensalão, é absurdo alguém achar que eu tive algum envolvimento, direto ou indireto. Nunca qualquer pessoa do PT do Acre foi sequer citada no processo. Esse processo está sendo julgado, envolve alguns companheiros do PT nacional, e a palavra agora está com o Supremo Tribunal Federal. Mas muitos no Brasil sabem que esse esquema de Caixa 2 nasceu no governo do PSDB de Minas Gerais.

Trago esses esclarecimentos porque não posso me calar diante de mais essa agressão à minha honra. Durante a minha trajetória política, sempre fui atacado e agredido por pessoas inescrupulosas, que, desde a eleição passada, tentam questionar a minha honestidade. Recentemente, entrei na justiça contra um candidato a vice, boca-suja, que me agrediu com palavras e pretendo fazer as interpelações judiciais necessárias para todos aqueles que tentarem atingir a minha honra. Não quero ser exceção. A política do Acre tem gente honrada, mas está cheia de oportunistas e candidatos profissionais que escondem seu patrimônio e, o pouco que declaram, não têm como explicar. Eleição a eleição esses candidatos profissionais tentam, agredindo pessoas de bem e enganando o povo, ocupar espaço na política e enriquecer às custas de mandatos.

Sempre combati a corrupção na política e vou seguir fazendo isso por toda a minha vida. Ninguém consegue esconder o trabalho.

Sinceramente,

Jorge Viana

Leia também