Viana destaca ferrovia integrando Acre e Peru

O senador foi a evento Internacional de Desenvolvimento Econômico Sustentável na Pan-Amazônia.

:: Da redação15 de junho de 2012 19:42

Viana destaca ferrovia integrando Acre e Peru

:: Da redação15 de junho de 2012

No ano que celebra o cinquentenário de sua autonomia política, o Acre reúne regiões vizinhas e parceiros nacionais com o objetivo de promover diálogos, acordos e entendimentos necessários ao avanço da integração e do desenvolvimento sustentável da Amazônia peruana, boliviana e brasileira.

Com a presença de autoridades do governo brasileiro, peruano e boliviano, além de empresários dos três países, o Seminário Internacional de Desenvolvimento Econômico Integrado Sustentável na Pan-Amazônia Sudoeste e o 1° Encontro Internacional de Turismo e Comércio, discute, desde essa quinta-feira (14/06) encaminhamentos para o desenvolvimento econômico e integração na região.

As conversas são organizadas em quatro eixos temáticos, divididos em: (I) Integração Econômica e Financiamento do Desenvolvimento, (II) Logística da Integração, (III) Gestão Territorial e (IV) Relações Institucionais.

Especialista em temas ligados a meio-ambiente, o senador Jorge Viana (PT-AC) defendeu, durante a abertura do encontro, o projeto da ferrovia que liga Cruzeiro do Sul, o Acre, a Pucallpa, no Departamento de Ucayalli, no Peru. “Estamos aproximando nossos problemas e adequando os nossos desafios. Se já fizemos muito até aqui, temos ainda muito mais para fazer.

O governador do Departamento de Ucayalli, Jorge Velasquez, também defendeu a integração através da ferrovia. “Estamos caminhando com um único olhar, enxergando o processo de desenvolvimento com base na integração. A integração física que permite o desenvolvimento jamais poderia trazer impactos sobre o meio ambiente. É por isso que nós não necessitamos de uma estrada, mas de uma ferrovia que permita o transporte de carga. Precisamos de uma ferrovia com justiça ambiental”.

Velasquez encerrou sua exposição deixando uma reflexão: “Estamos na terra de Chico Mendes e o povo acreano já deu mostras de luta e sacrifício pelo meio ambiente. Desenvolvimento não é destruição. Como vamos entregar para nossos filhos a terra que recebemos dos nossos avós, dos nossos pais?”.

Na abertura do encontro, o governador Tião Viana avaliou que o seminário “pode ser um marco na nossa história, neste momento em que completamos 50 anos da criação do Estado e o Brasil sedia o evento mais importante do mundo em relação ao meio ambiente que é a Rio+20. Não teríamos maneira melhor de celebrar o cinquentenário”, comentou . Segundo ele, o Acre é o grande portal de integração com a América Andina, tendo ao redor um universo de 35 milhões de pessoas, além do acesso para o grande mercado do século 21, que é o mercado asiático. “A integração física já existe, embora tenham se passado 500 anos para que fosse construída a primeira ponte sobre o Rio Acre, que separa o Brasil e o Peru. Espero que sejamos capazes de demonstrar que fronteiras não são barreiras e que entre nós não há barreiras”, disse o governador Tião Viana.

Tião Viana também defendeu o desenvolvimento sustentável como saída econômica e social para a produção de drogas nos países vizinhos, grandes produtores mundiais de drogas naturais. “Se o mundo dispensasse 10% do que gasta com repressão às drogas para investimento em desenvolvimento sustentável os índices seriam outros. Porque quem tem uma vida digna não precisa produzir droga. Muitas pessoas sobrevivem da produção das drogas”, comentou.

Os organizadores do seminário explicam que a integração entre Acre, Bolívia e Peru foi criada pela natureza. Já existe e é facilmente observada no mapa: o Estado faz mais fronteira com os países vizinhos do que com os estados brasileiros de Rondônia e Amazonas.  E foi para fortalecer a integração econômica que o Governo do Acre convidou os países vizinhos para discutir problemas, buscar soluções em conjunto e superar desafios. “O Acre não vai conseguir se desenvolver se os países que fazem fronteira conosco continuarem numa situação difícil, com baixa perspectiva de desenvolvimento sustentável. Por mais de cem anos vivemos de costas uns para os outros e hoje a integração física já existe. É preciso integrar a economia, a cultura”, disse o vice-governador do Estado, César Messias.

Com informações da Agência de Notícias do Acre

Leia também