A água como um direito

Viana faz balanço positivo do Fórum Mundial da Água

Senador saúda participantes no encerramento do encontro, fala de esperança para próximas gerações, mas lamenta ausência de estadistas
:: Assessoria do senador Jorge Viana23 de março de 2018 12:20

Viana faz balanço positivo do Fórum Mundial da Água

:: Assessoria do senador Jorge Viana23 de março de 2018

O senador Jorge Viana (PT-AC) fez um balanço positivo do 8º Fórum Mundial da Água, no encerramento do encontro, ocorrido na manhã desta sexta-feira, 23 de março. Ele diz que o evento, que reuniu mais de 70 mil pessoas em Brasília durante a semana, deixa um legado esperançoso, despertando a consciência do mundo político e social para a importância da água. Viana disse que há disposição dos governos e parlamentos de trabalharem pelo direito de todo ser humano à água potável e ao saneamento, mas lamentou a ausência no evento de lideranças políticas dos países ricos.

“É possível revertermos esse quadro de destruição e minimizarmos os efeitos das mudanças climáticas”, disse, no encerramento do fórum, que realizou 300 conferências durante três dias. O encontro reuniu políticos, autoridades, cientistas, líderes de povos antigos e juristas, além de parlamentares e militantes sociais. “Todos buscaram aqui fazer a diferença e assegurar nosso futuro. Daí porque o tempo é de esperança. Precisamos sair daqui e semear a esperança”, destacou.

Viana ressaltou que todos os participantes sairão de Brasília conscientes de suas responsabilidades e dos compromissos assumidos. “Repito aqui o que para mim é uma bandeira de todos nós: não temos uma causa.  São as causas da água, do combate à mudança climática e à exclusão social, a causa dos direitos humanos e a causa da democracia que nos têm a todos”, disse.

O senador presidiu a conferência “O Papel dos Parlamentos e o Direito à Água”, na terça-feira, 20, que contou com 134 parlamentares de 20 países. Os participantes aprovaram manifesto, no qual se comprometem a incluir em suas legislações o direito à água potável e ao saneamento como fundamentais, assim como assegurar recursos orçamentários para garantir a segurança hídrica.

“Este é um momento importante para a humanidade. Estamos numa encruzilhada. Temos muito a fazer daqui para a frente, porque precisamos garantir o futuro às próximas gerações. Temos de lutar para reduzir a ação degradante do homem”, discursou Viana, no encerramento do fórum. “Somos a primeira geração da espécie humana a sentir os efeitos das mudanças climáticas provocadas pela ação do homem. E, de maneira desafiadora, se impõe à nossa geração, a missão de fazermos algo para deter essa marcha da insensatez”.

O senador lembrou que os dois encontros que Brasília sediou durante a semana – o Fórum Mundial da Água e o Forum Alternativo Mundial da Água, o FAMA – são passos no caminho do respeito à natureza, da preservação da biodiversidade e dos recursos naturais. “Ainda há tempo para nos desviarmos do caminho da destruição global”, declarou. “Estou esperançoso”.