Viana rebate gravidade de dívida do Acre

:: Da redação9 de setembro de 2011 15:28

Viana rebate gravidade de dívida do Acre

:: Da redação9 de setembro de 2011

O senador Jorge Viana (PT-AC) ocupou o plenário do Senado na última quinta-feira (08) para rebater as acusações lançadas por adversários de que o estado do Acre teria um endividamento exageradamente alto e perigoso. Ele relatou que em 1999, quando assumiu o governo local, o Acre era refém do crime organizado, não pagava há cinco meses os salários de seus funcionários, não desfrutava da confiança de seu próprio povo e tinha dívidas astronômicas.

“O Banco do Estado estava quebrado. Dele restou apenas uma dívida de cerca de R$150 milhões, que, atualizada em valores de hoje, atinge a cifra de R$500 milhões”. O senador enfatizou que a dívida estadual total herdada era, à época, de R$ 680.323.201,00, equivalentes, pelos cálculos oficiais de correção da dívida, a algo próximo de R$2 bilhões em valores de hoje.

“O nosso trabalho mudou essa história. Derrotamos o crime organizado, criamos política de respeito ao servidor público, com melhores salários e sem atrasos de sequer um dia, por doze anos. Há doze anos os salários dos servidores do Acre disputam os primeiros lugares, inclusive com o Estado de São Paulo”, assegurou.

Ele atestou que as informações alardeadas sobre um suposto endividamento do Estado vão muito além da irresponsabilidade: “Trata-se de um golpe contra o próprio Acre e contra um período muito especial que o Estado vive, alertou. O tom indignado norteou o discurso. De acordo com o senador, o fato de o projeto da Frente Popular ter dado certo – o PT governa o Acre pelo quarto mandato consecutivo – pode ter gerado descontentamento de “algumas pessoas que, por interesses contrariados, resolvem se manifestar, assim como é natural e parte do jogo ter oposição”,

“O que não é natural é que interesses e objetivos inconfessáveis, moralmente mesquinhos e politicamente atrasados, usem da mentira para desqualificar a ação administrativa dos que, com dedicação e responsabilidade, dirigem o destino do povo acreano, como faz o Governador Tião Viana.”, afirmou. E emendou: “Foi com seriedade, honestidade e muito trabalho que o Governador Tião, eu e o ex-Governador Binho Marques tivemos o privilégio de liderar esse projeto da Frente Popular, conquistando a confiança dos acreanos e promovendo as mudanças há tanto tempo sonhadas”

Em seguida, solicitou a transcrição, nos anais do Senado do editorial publicado pelo jornal O Estado de São Paulo de 27 de agosto, que “desmente os que fazem oposição no Acre e confirma o que digo”. Viana destacou que, depois de afirmar que, nos últimos oito anos, 14 das 27 unidades da Federação aumentaram a arrecadação de tributos estaduais de tal maneira que reduziram a participação das transferências da União na composição de sua receita total, o jornal paulista define, no texto citado, o Acre como o melhor exemplo de ajuste de suas finanças.

Viana reiterou que os investimentos no Acre são feitos “com honestidade, grande eficiência técnica e, melhor ainda, com grande sensibilidade política”. “Quem usa o discurso do endividamento do Acre para desqualificar adversários políticos é alguém que deveria conhecer, mas não conhece, a realidade do Estado ou é movido pela má-fé. Em ambos os casos, é atitude deplorável e significa trabalhar contra os que mais precisam.”

 E encerrou: “O que esperar de homens públicos em primeiro lugar? É a responsabilidade e a honestidade. Na política, como na vida, temos que fazer a escolha. Alguns escolhem trabalhar com a mentira. Eu escolhi trabalhar com a verdade, continuar lutando e dedicando este mandato e a minha vida por um Acre e um Brasil melhor!”

 

Leia o íntegra do discurso 

Leia também