Wellington Dias rebate oposição sobre falha de energia no NE

Líder refuta condenação apressada de pré-candidato do PSDB sobre corte no fornecimento de energia, e lembra que país vivia o caos energético, com apagões e racionamento, durante governo tucano.

:: Da redação29 de agosto de 2013 13:00

Wellington Dias rebate oposição sobre falha de energia no NE

:: Da redação29 de agosto de 2013

Wellington: problemas de hoje são pontuais;
durante o governo PSDB-DEM, “tínhamos o
caos”

O líder do PT e do Bloco de Apoio ao Governo, senador Wellington Dias (PT-PI), rebateu imediatamente a crítica do senador Aécio Neves (PT-MG), que atribuiu à presidenta Dilma Rousseff a culpa pela falha no fornecimento de energia em nove estados do Nordeste na tarde desta quarta-feira (28). “Não dá nem para comparar a falha técnica no fornecimento de energia porque apagão mesmo existia no governo de Fernando Henrique Cardoso. Nós tínhamos um caos e milhões de brasileiros sequer tinham acesso a energia”, afirmou o líder, antes que o Ministério das Minas e Energia identificasse que o corte de energia havia sido provocado por um incêndio no interior de seu estado, o Piauí.

Wellington Dias rechaçou as críticas do pré-candidato do PSDB à Presidência da República – Aécio Neves que não consegue ser legitimado por causa da divisão em seu partido -, e lembrou que, em seu estado, durante o governo neoliberal de FHC, 80% da população no campo vivia à base da “lamparina”. “Hoje nós estamos chegando às últimas famílias, e atualmente restam apenas 24 mil ligações por meio do Programa Luz Para Todos”, registrou.

Segundo o líder, os investimentos em infraestrutura realizados nos dois anos e meio do governo da presidenta Dilma Rousseff são mais do que o dobro do total de investimentos no setor durante os oito anos em que o Brasil foi governado pelos tucanos, quando, de fato, não só ocorriam apagões de norte a sul do País. Isso, sem contar a paralisia do setor e a falta de planejamento que castigaram o País durante os anos de 1998 e 2002. Para relembrar o caos que imperava na época, o governo tucano chegou a ter um ministro apenas para cuidar dos apagões e do racionamento de energia.

Para enfrentar os problemas de gestão, o PSDB tinha uma única solução: privatizar, muitas vezes em valores inferiores aos das instalações dessas empresas, entregando o patrimônio público para empresas privadas. “Em relação à falha no fornecimento de energia em nove estados do Nordeste, ocorrida na tarde de hoje, a preocupação da presidenta Dilma é com o povo, para garantir o restabelecimento do fornecimento que, aliás, já começou ocorrer em todas as capitais”, reafirmou Wellington.  

O líder, entretanto, não deixou de reconhecer que a falta de energia causa trauma, mas que, hoje, ao contrário da deficiência da infraestrutura do passado, o governo, agora, procura os fatores geradores da interrupção no fornecimento, como aconteceu nesta quarta-feira (28). “Em alguns momentos nós tivemos acidentes. Em outros, problemas de gestão. Qualquer que seja o problema, não tenho dúvida e o Brasil sabe disso, a presidenta vai tomar providências. Doa a quem doer”, enfatizou.

O senador destacou que o aumento da renda, o acesso à energia são problemas positivos que devem ser enfrentados. Cerca de 90% dos problemas de total falta de investimento dos tucanos estão sendo solucionados, principalmente no que se refere à oferta de energia com a construção de usinas de Jirão e Santo Antonio, em Rondônia e Belo Monte, no Pará. “Posso garantir e digo, não tem comparativo do que era a realidade durante o governo do PSDB, junto com o PFL e o DEM”, completou.

Falha técnica foi provocada por empresa ligada aos tucanos

De acordo com o site UOL, a falha no fornecimento de energia que atingiu nove estados do Nordeste foi provocado por queimadas em duas linhas de transmissão privadas no Piauí, que fazem a interligação entre o sistema do Norte e do Nordeste.  A empresa Taesa, controlada pela Cemig, que se recusou a renovar as concessões proposta pelo governo Dilma e, com isso, reduzir o preço das tarifas, é responsável pela linha de transmissão entre os municípios Ribeiro Gonçalves e São João do Piauí.

Marcello Antunes

 

Leia também