Mobilização nacional

Brasileiros mobilizados em defesa de Lula

Grupos de defensores da democracia de todo o País se organizam para levar caravanas até a capital paranaense, que deve receber milhares de pessoas nesta semana
:: Rafael Noronha8 de maio de 2017 11:03

Brasileiros mobilizados em defesa de Lula

:: Rafael Noronha8 de maio de 2017

Os movimentos sociais que compõe a Frente Brasil Popular estão convocando a militância para ir até Curitiba (PR) acompanhar a audiência do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no dia 10 de maio, como parte da Jornada de Luta pela Democracia.

Grupos de defensores da democracia de todo o País se organizam para levar caravanas até a capital paranaense, que deve receber milhares de pessoas nesta semana.

Lula fala apenas às 14 horas do dia 10, mas a Frente organizou uma programação de atividades que começa na véspera, terça-feira (9), a partir das 7h, com um ato pela Reforma Agrária e contra a criminalização e a impunidade. Às 10 horas ocorre a inauguração do Acampamento Pela Democracia e um ato político.

Na quarta-feira, acontece a Assembleia Nacional dos Movimentos Sociais das 9h às 12h e atividades culturais das 10h às 18h. Lula participa de um ato político com autoridades às 18h em um ponto do centro conhecido como Boca Maldita.

Além da programação, os movimentos lançaram a ‘Carta ao povo de Curitiba’, onde convocam todos a participar das atividades da Jornada de luta pela Democracia, e reagir aos ataques aos direitos, promovido pelo governo golpista de Michel Temer e seus aliados na Câmara e no Senado.

“Não podemos permitir que um presidente que chegou ao Planalto através de um golpe promova reformas que vão piorar a vida do povo”, afirma o texto.

Decisão judicial
Na última sexta-feira (5), a juíza substituta da 5ª Vara da Fazenda Pública, Diele Denardin Zydek emitiu decisão proibindo, em decorrência do depoimento do presidente Lula, a montagem de estruturas nos arredores do fórum e determinou que apenas pessoas autorizadas adentrem o perímetro feito pela Secretaria de Segurança do Paraná. Assim, as manifestações estão restritas das 23h desta segunda-feira (8) até as 23h quarta-feira (10), dia do depoimento.

Além disso, caso pedestres e veículos não autorizados adentrem a área mais próxima do fórum, estarão sujeitos a multas diárias de R$ 100 mil. Na área secundária demarcada pela Polícia Militar do Paraná, a entrada não autorizada acarreta multa de R$ 50 mil. Já a “montagem de estruturas e acampamentos” será punida com multa diária de R$ 50 mil.

Gleisi Hoffmann (PT-PR), líder do PT no Senado, recebeu com estranheza a decisão judicial. Na sua avaliação, a juíza se equivocou ao proferir decisão que contrarie o direito dos cidadãos se manifestarem livremente.

“Isso é errado e inconstitucional. Não há nada que impeça o direito de se manifestar”, disse.

Blogs e sites tem noticiado o fato de a juíza Diele Zydek utilizar sua página pessoal no Facebook para replicar conteúdo antipetista de páginas como O Antagonista e MBL, questionando, assim, sua imparcialidade diante da decisão de proibir as manifestações.

A Frente Brasil Popular emitiu nota no último domingo (7) em repúdio a decisão judicial classificando-a como uma “forma de criminalização dos movimentos sociais” e reafirmando que as atividades programadas serão feitas de acordo com o cronograma anteriormente definido de forma “pacífica e democrática”.

“As caravanas e as atividades serão feitas, lutadoras e lutadores sociais serão bem acolhidos pelas entidades sociais e o momento será de muito debate e reflexão com juristas e advogados renomados, artistas, vigílias inter-religiosas e debates políticos”, diz trecho da nota.

Mensagens de ódio
Na última semana, outdoors foram espalhados por Curitiba com mensagens de ódio direcionadas ao presidente Lula. Neles, em tom provocativo, lê-se a mensagem: “A república de Curitiba te espera de grades abertas” com uma imagem de um desenho alusivo a Lula vestido de presidiário.

Apoiadores do presidente Lula responderam com humor a provocação e colaram um enorme coração no centro do outdoor com a frase: “Lula ladrão! Roubou meu coração”.

Na mesma semana, o juiz Sérgio Moro gravou vídeo aos seus “apoiadores” solicitando que não fossem a Curitiba no dia do depoimento do presidente Lula para que “ninguém se machuque”.

Em artigo publicado nesta segunda-feira (8), Gleisi Hoffmann questiona a posição do juiz Moro em dirigir-se não ao público em geral, mas aos apoiadores da Lava Jato. “Ou seja, àqueles que apoiam as acusações contra Lula”. Ela estranha a ausência de menção aos apoiadores de Lula no vídeo, que, para o juiz, constituem o “outro lado” no processo. “[Eles] deveriam merecer de um magistrado o mesmo respeito e a mesma preocupação”, diz a senadora.

“Se o juiz tem um lado, o dos apoiadores da Lava Jato, o que pode o acusado esperar nesse processo? Claro que não pode esperar um julgamento justo ou um tratamento respeitoso às suas posições. Está claro que será tratado como culpado, em função das convicções do juiz e dos acusadores do Ministério Público”, enfatiza.

Confira a Carta ao povo de Curitiba e a programação na íntegra:

Confira a programação da Jornada de luta pela democracia

Com informações da Agência PT de Notícias

Leia também