Aníbal alerta sobre “efeito manada” nas críticas à Petrobras

:: Da redação23 de setembro de 2013 21:10

Aníbal alerta sobre “efeito manada” nas críticas à Petrobras

:: Da redação23 de setembro de 2013

Para o senador, as críticas feitas pela oposição
sobre a capacidade de investimento e a gestão
da Petrobras merecem respostas

A Petrobras é uma empresa sólida, que atua dentro de minucioso planejamento e está preparada para os desafios da exploração e produção, não só no pré e pós sal dos poços em mar, mas também em terra. “Só é importante alertar para o efeito manada que pode decorrer de certas afirmações”, afirmou o senador Aníbal Diniz (PT-AC), que ocupou a tribuna na tarde desta segunda-feira (23) para rebater críticas do senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) à empresa.

“A Petrobras é um patrimônio nacional. Quando alguém com a representatividade do senador Aloysio afirma que a empresa está perdendo dinheiro ou a sua capacidade de atuação, isso pode prejudicar não só os acionistas, mas todos os brasileiros”. Aníbal lamentou que, em nome da disputa política, a oposição venha alardeando uma crise que não existe na Petrobras. “Já imaginaram se a bancada do PT espalhasse boatos contra o Banco do Brasil, o caos que provocaria?”, comparou.

Aníbal destacou que a Petrobras está muito bem preparada para a exploração do pré-sal, até porque foi a responsável pelas imensa reservas aí contidas, e que um número menor que o previsto de empresas inscritas para o leilão do campo de Libra, que está em licitação, não vai prejudicar o processo.

Aparteado por Aloysio Nunes, que quis reafirmar as previsões catastróficas sobre a Petrobras, Aníbal afirmou que a bancada do PT está ansiosa por fazer o debate político sobre o que significaram os oito anos de governo do PSDB no País, em comparação com os avanços de uma década de governos petistas.

“Nós [a bancada do PT] defendemos esse debate e temos muita tranqüilidade em fazê-lo, porque os avanços e as conquistas são muitos e inegáveis, afirmou o senador acriano.

Leia mais:

Má gestão explica norte-americanas ficarem de fora de Libra


Leia também