nelson teich fora

Bolsonaro brinca com vida de brasileiros ao fazer rodízio no Ministério da Saúde

Senadores criticam nova troca no Ministério da Saúde, em menos de um mês, em meio à pandemia
:: Rafael Noronha15 de maio de 2020 13:14

Bolsonaro brinca com vida de brasileiros ao fazer rodízio no Ministério da Saúde

:: Rafael Noronha15 de maio de 2020

A bancada do PT no Senado reagiu com perplexidade a informação de que, menos de um mês após a posse, o ministro da Saúde, Nelson Teich, tenha pedido demissão em decorrência das pressões sofridas por parte de Jair Bolsonaro. O Presidente da República continua com sua posição negacionista em relação à pandemia, tentando forçar a reabertura econômica com o enfraquecimento do isolamento social e a adoção do uso da cloroquina como solução para a Covid-19, contrariando todos os estudos e recomendações científicas.

“Dois ministros da saúde saem em meio à pandemia. Troca comando, troca equipe no Ministério, faltam testes, atrasa entrega de EPIs para hospitais, atraso na contratação de médicos. Uma bagunça. Enquanto isso, 14 mil famílias choram a perda de seus familiares. Esse governo é assassino”, classificou o líder do PT no Senado, Rogério Carvalho (SE).

Para o senador Jean Paul Prates (PT-RN), Bolsonaro promove a troca no Ministério da Saúde para desviar o foco das graves acusações de ingerência no comando da Polícia Federal e agressões a governadores que tem adotado o caminho orientado pelos cientistas em todo o mundo.

“Enquanto o mundo luta contra um vírus letal pandêmico, o presidente do Brasil reveza ministros até encontrar um que acate e implemente exatamente suas convicções totalmente leigas a respeito do combate à Covid-19, incluindo protocolos ineficazes e tratamentos não comprovados”, criticou.

Teich tomou posse em 17 de abril. Essa é a segunda saída de um ministro da Saúde em meio à pandemia do coronavírus. Teich havia substituído Luiz Henrique Mandetta. Assim como Mandetta, Teich também apresentou discordâncias com o presidente Jair Bolsonaro sobre as medidas para combate ao coronavírus.

“Estamos em meio a uma terrível pandemia que já ceifou milhares de vidas. E o governo de Jair Bolsonaro brinca de fazer rodízio no Ministério da Saúde. Tudo obra de um presidente genocida que nega a ciência e quer levar milhares à morte”, apontou o senador Humberto Costa (PT-PE).

O senador Paulo Rocha (PT-PA) avaliou que Bolsonaro “está brincando de governar um País” e apontou que essa atitude irresponsável do governo cobrará seu preço. “Nelson Teich agora é ex-ministro da saúde, pediu exoneração nesta manhã. Alguma dúvida de que foi pressionado a isso? Alguma dúvida de que Bolsonaro está brincando de governar um país e o preço desse jogo são nossas vidas? “, questionou.

Na avaliação do senador Paulo Paim (PT-RS), presidente da Comissão de Direitos Humanos (CDH), Bolsonaro mostra que o povo brasileiro está abandonado à sua própria sorte em meio à pandemia. “Em três meses de pandemia, vamos ter um terceiro ministro da Saúde. O povo está abandonado à própria sorte. Pessoas e famílias inteiras sofrendo com mortes de entes queridos. Com o país sem rumo, onde vamos parar? “, questionou.

Já o senador Jaques Wagner (PT-BA) ironizou o pedido de demissão de Nelson Teich. Para ele, a saída do médico não causa estranheza. “Eu não estranho a saída. Estranho é um médico sério ter entrado no Ministério”, disse.

Leia também