Comunicadores latino-americanos repudiam papel da grande mídia no golpe

:: Da redação17 de Maio de 2016 21:28

Comunicadores latino-americanos repudiam papel da grande mídia no golpe

:: Da redação17 de Maio de 2016

A ALAIC critica desinformação e descontextualização dos acontecimentos políticosA Associação Latino-Americana de Investigadores da Comunicação (ALAIC), entidade com mais de 40 anos de existência dedicados ao estudo dos meios de comunicação e da produção de conteúdo, divulgou nota oficial manifestando “desacordo com o papel desempenhado pela maioria dos veículos de comunicação” na ruptura da ordem democrática no Brasil. Para a entidade, os grandes veículos brasileiros “em vez de cumprir sua missão informativa ou de análise de realidade se transformam em atores substantivos do rompimento da ordem democrática”.

 

A ALAIC é considerada a principal entidade dedicada à pesquisa e ao estudo da Comunicação no continente, e é integrada por associações nacionais como a Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação – Intercom.

Veja a íntegra da nota da ALAIC:

Diante do rompimento da ordem democrática no Brasil, a Associação Latino-Americana de Investigadores da Comunicação (ALAIC), mais uma vez manifesta o seu desacordo com o papel desempenhado pela maioria dos veículos de comunicação nesses processos. Casos como os ocorridos na Venezuela, Paraguai, Bolívia, Argentina e agora no Brasil, trazem preocupação para nossa Associação, entidade dedicada à análise da atuação dos meios de comunicação, seus conteúdos, as organizações empresariais ou governamentais das quais dependem e o objetivo social e são chamados a cumprir.

Em suas quase quatro décadas de existência, ALAIC teve e tem uma importante participação de pesquisadores e acadêmicos brasileiros interessados em esclarecer a realidade da mídia de seu país, por meio de pesquisas e análises. Para eles e para o resto dos latino-americanos que compõem a nossa Associação, é preocupante que a crescente mediatização das relações sociais levem, fatalmente, à desinformação, e descontextualização dos acontecimentos políticos que ocorrem em países da região.

O Conselho Directivo de ALAIC, que tem seguido de perto os acontecimentos do Brasil, identifica em tais processos uma atuação interessada de meios de comunicação, que em vez de cumprir sua missão informativa ou de análise de realidade se transformam em atores substantivos do rompimento da ordem democrática. Consideramos que esta atitude ameaça as liberdades fundamentais, como o direito à liberdade de expressão e de informação de todos os cidadãos, bem como as possibilidades de defender outros direitos fundamentais por meio do jornalismo.

Neste sentido, sugerimos providências no sentido de não só manter o exercício regular, como fortalecer a atuação autônoma dos veículos públicos de comunicação. Para isso, é fundamental respeitar mandatos de gestores e a atuação dos canais de participação popular na gestão e no diálogo entre os meios e a sociedade. A criação e a permanência no funcionamento de veículos públicos de comunicação são relativamente recentes na América Latina e se colocam como condições fundamentais para o fortalecimento da democracia e para a promoção da diversidade.
Em síntese, solicitamos o respeito às normas nacionais e internacionais que são a salvaguarda das democracias, e insistimos na necessidade de contar com meios de comunicação ligados à verdade e defensores do mesma, capazes de informar à população sobre as disputas políticas e informativas nacionais, sem se sujeitarem a interesses partidários, econômicos ou de outra índole.

 

ALAIC
Delia Crovi, Presidenta
Gustavo Cimadevilla, Vice-presidente
Luz María Garay, Diretora Administrativa
Gabriel Kaplún, Diretor Científico
Esmeralda Villegas, Directora de Comunicación
Fernando Oliveira Paulino, Director de Relaciones Internacionales