Cotistas receberam ajuda de custo para garantir conclusão do curso

:: Da redação11 de setembro de 2012 15:33

Cotistas receberam ajuda de custo para garantir conclusão do curso

:: Da redação11 de setembro de 2012

Os estudantes universitários beneficiados pela Lei de Cotas Sociais (12.711/2012) – que destina 50% das vagas para alunos de escolas públicas – poderão contar um ajuda de custo para permanecerem nas instituições de ensino superior públicas e federais. Ao reconhecer a dificuldade dos cotistas mais pobres que necessitam trabalhar, fazer longos deslocamento ou quem não tem dinheiro para comprar livros e instrumentos para fazer o curso, o Ministério da Educação (MEC) e a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir) estudam a criação de bolsas e auxílios especiais. Os valores ainda não foram estabelecidos.

Outra preocupação do Governo é preparar as comunidades acadêmicas das universidades e dos institutos (que terão quatro anos para implantar progressivamente o percentual de reserva de vagas) para receber os cotistas. De acordo com a Lei, cada instituição deverá preencher as cotas com autodeclarados pretos, pardos e indígenas na mesma proporção populacional de cada estado.

Para o caso dos estudantes negros, uma ideia é criar centros de convivência negra (como o implantado na Universidade de Brasília (UnB), uma das primeiras a ter sistema de cotas no País). “Nós estamos trabalhando junto com o Ministério da Educação num grande programa que vai facilitar a permanência do estudante, não só a partir de auxílio permanência, mas também de adaptar a universidade para esse público”, destaca o secretário-executivo da Seppir, Mário Lisboa Theodoro.

O cálculo do governo é que o número de alunos negros cotistas suba dos atuais 8,7 mil para 56 mil estudantes daqui a quatro anos. O crescimento terá grande efeito social, espera o governo. “Se é pela escolaridade que se abrem as portas do emprego, as desigualdades tendem a ser minoradas”, pondera a coordenadora-geral para Educação de Relações Étnica-Raciais do MEC, Ilma Fátima de Jesus.

Mário Theodoro espera, além do impacto social, um efeito “simbólico”. “Teremos profissionais negros de nível superior, gabaritados e em quantidade que não temos hoje. Vamos ter uma elite intelectual mais com a cara de todo o povo”, salientou.

Segundo o secretário, o Governo também vai monitorar o desempenho acadêmico e o ingresso no mercado de trabalho dos cotistas formados. “Estamos verificando em alguns momentos e em situações pontuais estigmas com relação aos cotistas, o que é um absurdo. Nós vamos monitorar para saber se há algum problema no mercado de trabalho”, informou.

Com informações da Agência Brasil

Leia mais:
Paulo Paim acompanha implementação da Lei das Cotas

Dilma sanciona lei de cotas em universidades federais

Leia também