Dilma defende decreto sobre a participação da sociedade no governo

A presidenta Dilma Rousseff defendeu a participação social e a consulta no processo de decisão sobre políticas do governo, em referência à Política Nacional de Participação Social (PNPS), criada por decreto no fim de maio. O decreto, que consolida a participação social como método de governo e fortalece instâncias como os conselhos e as conferências, tem sido alvo de críticas da oposição no Congresso Nacional.

:: Da redação6 de junho de 2014 18:32

Dilma defende decreto sobre a participação da sociedade no governo

:: Da redação6 de junho de 2014

“Nós somos a favor da consulta, somos a favor da participação de todos os segmentos no processo de estruturação das políticas de governo. Muitas cabeças pensam mais do que só a cabeça do Executivo. É uma convicção que nós temos, e faz parte da construção da democracia no nosso País”, disse a presidenta em discurso durante abertura da reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, o Conselhão, na última quinta-feira (5).

Na semana passada, o DEM apresentou à Mesa da Câmara um projeto de decreto legislativo para suspender o decreto presidencial que instituiu a política. A oposição diz que a medida contraria a Constituição e invade as prerrogativas do Congresso. Dilma disse que os Poderes têm papeis diferentes, e o processo de consulta não interfere nesse equilíbrio.

“Nada compromete o papel do Legislativo. São papéis diferentes. O Legislativo apoia, aprova o corpo. E de onde a gente tira as características do corpo? De uma consulta à sociedade. Agora, ela é revista e reolhada pelo Executivo, o que também mostra, da nossa parte, um compromisso com os conselhos e a consulta”, disse, dirigindo-se aos ministros, empresários e representantes da sociedade civil que integram o Conselhão.

No começo da semana, o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, também saiu em defesa da PNPS, e disse que a iniciativa foi construída num longo processo de debate com os movimentos sociais. Carvalho atribuiu a tentativa de derrubar o decreto a uma “excessiva vontade de perseguição”, por parte de alguns parlamentares.

Fonte: Agência Brasil

Leia também