Dilma: Mandela deixou lições para os que buscam a liberdade, a justiça e a paz

:: Da redação10 de dezembro de 2013 13:06

Dilma: Mandela deixou lições para os que buscam a liberdade, a justiça e a paz

:: Da redação10 de dezembro de 2013

Mandela inspirou luta no Brasil e na América do Sul, diz Dilma. “Mandela deixou lições não só para seu querido continente africano, mas para todos que buscam a liberdade, a justiça e a paz no mundo”. 

“Nós, nação brasileira, que trazemos com
orgulho o sangue africano em nossas veias,
choramos e celebramos o exemplo desse
grande líder que faz parte do panteão da
humanidade” (PR)

A presidente Dilma Rousseff afirmou, nesta terça-feira (10), em discurso na cerimônia de despedida e homenagem ao ex-presidente sul-africano Nelson Mandela, que o ex-líder inspirou uma luta igual no Brasil e na América do Sul. A cerimônia foi realizada no estádio Soccer City, no bairro de Soweto, em Johannesburgo.

Ao lembrar que o Brasil tem diversos descendentes de africanos, a presidenta disse: “nós, nação brasileira, que trazemos com orgulho o sangue africano em nossas veias, choramos e celebramos o exemplo desse grande líder que faz parte do panteão da humanidade.” “O Governo e o povo Brasileiro se inclinam diante da memória de Mandela”, acrescentou.

“O combate de Mandela e do povo transformou-se em um paradigma não só para o continente, mas para todos os povos que lutam pela justiça, pela liberdade e pela igualdade”, disse Dilma. “Esse grande líder teve seus olhos postos no futuro de seu país, do seu povo e de toda a África e inspirou a luta no Brasil e na América do Sul.”

Dilma chamou Mandela de “personalidade maior do século 20” e afirmou que o sul-africano “conduziu com paixão e inteligência um dos mais importantes processos de emancipação do ser humano na história moderna: o fim do apartheid na África do Sul.”

Ao lembrar o sofrimento e o cárcere de Madiba – como Mandela é carinhosamente chamado na África – Dilma destacou a lúcida firmeza e determinação no combate contra o apartheid marcado pelo profundo compromisso com a justiça e com a paz. “Por sua superioridade moral e ética, ele soube fazer da busca da verdade e do perdão os pilares da reconciliação nacional e da construção da nova África do Sul”, ressaltou.

Símbolo da luta contra o racismo na África do Sul, Mandela esteve preso por 27 anos e governou o país após a sua libertação. “O apartheid, que Mandela e o povo sul-africano derrotaram, foi a forma mais cruel da desigualdade social e política”, ressaltou Dilma em seu discurso. “Devemos reverenciar esta manifestação suprema de grandeza e de humanismo. Sua luta transcendeu suas fronteiras nacionais”.

“Mandela deixou lições, não só para seu querido continente africano, mas para todos aqueles que buscam a liberdade, a justiça e a paz no mundo”, afirmou a presidente que encerrou seu discurso dizendo “viva Mandela para sempre”.

A brasileira foi a única latino-americana convidada para discursar no ato.

Bastante aplaudida quando começou a falar, a presidenta discursou logo após o norte-americano Barack Obama.

Com agências

Confira a íntegra do discurso da presidenta Dilma Rousseff

Joanesburgo/África do Sul, 10 de dezembro de 2013

Senhoras e senhores chefes de Estado e de Governo,

Amigos e Amigas,

Trago aqui o sentimento de profundo pesar do governo e do povo brasileiros, e tenho certeza de toda a América do Sul, pela morte deste grande líder, Nelson Mandela.

Personalidade maior do século XX, Nelson Mandela conduziu com paixão e inteligência um dos mais importantes processos de emancipação do ser humano da história contemporânea – o fim do apartheid na África do Sul.

O combate de Mandela – e o do povo sul-africano – transformou-se em um paradigma, não só para este continente, mas para todos os povos que lutam pela justiça, pela liberdade e pela igualdade.

O apartheid, que Mandela e o povo sul-africano derrotaram, foi a forma mais elaborada e cruel da desigualdade social e política que se tem notícia nos tempos modernos.

Esse grande líder, Nelson Mandela, teve seus olhos postos no futuro de seu país, de seu povo e de toda a África. Inspirou a luta no Brasil e na América do Sul.

Madiba, como carinhosamente vocês o chamaram, constitui exemplo e referência para todos nós.

Pela estóica paciência com que suportou o cárcere e o sofrimento.

Pela lúcida firmeza e determinação que revelou em seu combate vitorioso.

Pelo profundo compromisso com a justiça e com a paz.

Sobretudo, por sua superioridade moral e ética.

Ele soube fazer da busca da verdade e do perdão os pilares da reconciliação nacional e da construção da nova África do Sul.

Devemos reverenciar esta manifestação suprema de grandeza e de humanismo representada por Nelson Mandela.

Sua luta transcendeu suas fronteiras nacionais e inspirou homens e mulheres, jovens e adultos a lutarem por sua independência e pela justiça social.

Deixou lições não só para seu querido continente africano, mas para todos aqueles que buscam a liberdade, a justiça e a paz no mundo.

Da mesma forma que os sul-africanos choram com seus cantos Madiba Nelson Mandela, nós, nação brasileira que trazemos, com orgulho, o sangue africano em nossas veias, choramos e celebramos o exemplo deste grande líder que faz parte do panteão da humanidade.

O governo e o povo brasileiros se inclinam diante da memória de Nelson Mandela.

Transmito à senhora Graça Machel, aos seus familiares, ao presidente Zuma e a todos os sul-africanos nosso profundo sentimento de dor e de pesar.

Viva Mandela. Para sempre.

Leia mais:

Mandela: petistas usam as redes para prestar última homenagem

Mandela sempre foi um exemplo para a atuação do PT. Mandela vive!


Leia também