Escândalo do Metrô de SP: documento traz iniciais de quem recebeu suborno

O documento revela o caminho do dinheiro, que teria beneficiado integrantes da Secretaria de Energia, na época chefiada por Andrea Matarazzo.

:: Da redação20 de janeiro de 2014 15:04

Escândalo do Metrô de SP: documento traz iniciais de quem recebeu suborno

:: Da redação20 de janeiro de 2014

Um documento apreendido na sede da Alstom, na França, indica que integrantes da Secretaria de Energia e três diretorias da EPTE (Empresa Paulista de Transmissão de Energia) foram subornados para que a companhia obtivesse em 1998 um contrato de US$ 45,7 milhões (R$ 52 milhões, em valores da época) com a estatal na gestão de Mário Covas (PSDB), informa a edição desta segunda-feira (20) do jornal Folha de S. Paulo. 

O documento apreendido revela detalhes da divisão e do caminho do dinheiro. Segundo o papel, a Secretaria de Energia, chamada de “SE”, recebeu 3% do contrato (R$ 1,56 milhão). Já as diretorias financeira, administrativa e técnica da EPTE aparecem como destinatárias de 1,5% (R$ 780 mil), 1% (R$ 520 mil) e 0,13% (R$ 67,6 mil), respectivamente, informa o jornal.

“À época da assinatura do contrato, em abril de 1998, o secretário de Energia era Andrea Matarazzo, que ocupou o cargo por seis meses. Ele nega ter recebido propina. O documento menciona os destinatários do suborno por meio de siglas. “SE” era a forma como a Alstom chamava a Secretaria de Energia em comunicações internas, segundo papéis do inquérito da PF. As diretorias são designadas pelas siglas DF, DT e DA”, afirma a Folha.

Veja a íntegra da reportagem da Folha de S. Paulo aqui

 

Leia Mais:

“Quem tentou intimidar o CADE e a PF, esqueça”, avisa Cardozo

Tucanos continuam fazendo cara de paisagem para o escândalo do metrô

 

Leia também