Gleisi critica reajuste nas contas de luz no Paraná

Gleisi: Copel ganhou muito, sem compensação ao consumidor

Os parlamentares paranaenses criticaram em plenário, nesta quinta-feira (11), o reajuste de 32,4% sugerido pelo governo do estado às tarifas de energia elétrica.  A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) anunciou que requereu ao Ministério Público uma investigação do processo de reajuste tarifário. Ela recordou que a Companhia Paranaense de Energia (Copel) é uma holding, “que ganhou muito dinheiro vendendo e transmitindo energia cara para as distribuidoras, sem fazer qualquer compensação interna de custos em benefício do consumidor”, enfatizou.

:: Da redação11 de junho de 2014 22:03

Gleisi critica reajuste nas contas de luz no Paraná

:: Da redação11 de junho de 2014

Gleisi também apelou à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), para levar em conta o posicionamento do Ministério Público em Defesa do Consumidor antes de analisar o pedido de reajuste do governo estadual.

O senador Roberto Requião (PMDB-PR) uniu-se às reclamações: “O Governador Beto Richa assumiu o Governo e a primeira medida que teve foi subir a distribuição de lucros dos sócios privados dos 25% legais para 35%, quebrou, de forma espetacular, a Copel Distribuição”, recordou. Para Requião, a decisão equivocada do governador paranaense faz com que a Aneel precise intimar a empresa para apresentar projeto de recuperação, “sob pena da Copel perder a concessão no Estado do Paraná”.

Gleisi leu uma nota, que distribuiu à imprensa, explicando  o problema. Diz o documento:

1. O Governador Beto Richa negou-se a aderir ao plano do Governo Federal de antecipar os contratos de concessão de energia, ficando contra o projeto de baratear a conta de luz de todos os brasileiros, em especial, dos consumidores paranaenses.

2. A inexplicável decisão do Governador expôs a Copel Distribuidora S/A à necessidade de comprar energia muito mais cara no mercado livre para cumprir a obrigação de atender o mercado consumidor do Paraná. Ao invés de pagar R$ 32,00/MWh definido pelo Governo Federal, teve de comprar energia a mais de R$ 800,00/MWh, causando um prejuízo de 2.469% por MWh aos cofres da empresa que pertence a todos os paranaenses.

3. Em maio passado, o Governo Federal socorreu as distribuidoras estaduais ao realizar um leilão para entrega de energia imediata. Com isso, a Copel conseguiu sair do sufoco e comprou energia por R$ 268,00 contra os mais de R$ 800,00 que vinha pagando pelo MWh.

4. Agora, depois das péssimas escolhas do governo estadual, e mesmo após o socorro da União, a Copel apresenta à Agência Nacional de Energia Elétrica (AneeI) o maior pedido de reajuste dentre todas as distribuidoras do País, penalizando toda a população e o setor produtivo do Estado.

5. Por considerar tão somente os interesses dos acionistas da empresa de Geração e de Transmissão, o Governador Beto Richa adota uma estratégia de gestão totalmente errada porque avança sobre o bolso do consumidor paranaense impondo a todos nós a maior tarifa de energia da história do nosso Estado. Ninguém recebeu aumento salarial neste nível de grandeza, o que faz deste um reajuste injustificável. Para dizer o mínimo.

Então, o que vemos são erros de gestão sobre erros de gestão, a inexperiência somada à incompetência e uma visão francamente voltada ao lucro de acionistas privados

Leia também