Caos econômico

Lindbergh: golpe destrói economia e desemprego explode

Desemprego e dívida pública explodem. Investimentos caem ao menor nível em 50 anos. Esse é o Brasil de Temer, denuncia o líder da Bancada do PT no Senado
:: Cyntia Campos30 de abril de 2018 08:43

Lindbergh: golpe destrói economia e desemprego explode

:: Cyntia Campos30 de abril de 2018

Em apenas um trimestre, o País viu saltar de 12,3 milhões para 13,7 milhões o número de pessoas sem trabalho, um aumento de 1, 4 milhão de desempregados. Como foi alertado, a precarização dos vínculos —a retirada radical de direitos instituída pela reforma trabalhista de Temer — não serviu nem para criar vagas, ainda que nos marcos do subemprego:  nos primeiros três meses de 2018, 650 mil postos de trabalho sem carteira assinada deixaram de existir.

Esse é o quadro exposto pela Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios Contínua (PNAD-Contínua) realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) sobre o primeiro trimestre deste ano. “O golpe está destruindo o País e está matando nosso povo”, resume o líder do PT no Senado, Lindbergh Farias (RJ), que chama a atenção para outros dois dados alarmante, também divulgados esta semana: o investimento público — os gastos do governo que têm o poder de movimentar a economia — chegou a seu índice mais baixo dos últimos 50 anos e a dívida pública líquida já é de 52% do Produto Interno Bruto.

 Pobreza extrema
No primeiro trimestre de 2018, a taxa de desocupação no Brasil saltou de 11,8% para 13,1%. Às 12,3 milhões de pessoas desempregadas do final de dezembro, mais 1,4 milhões haviam ingressado na estatística, ao final de março, totalizando 13,7 milhões de desempregados no País. Neste período, o País perdeu 400 mil postos com carteira assinada e 650 mil ocupações informais — só no emprego doméstico, foram extintas 167 mil vagas.

Em três meses, O arrocho fiscal que paralisa a economia como um todo extinguiu 255 mil empregos públicos, retirou 1,5 milhões de pessoas do programa Bolsa Família e jogou na pobreza extrema 1,5 milhões de brasileiros. “Lula e Dilma tinha tirado 32 milhões de pessoas da pobreza extrema”, lembra Lindbergh. Agora Temer está obrigando muita gente a fazer o caminho inverso. Segundo a PNAD 1,2 milhões de famílias voltaram a cozinhar com lenha, por não poderem arcar com o preço do gás .

 Temer está derrubando o País. Não há a menor chance de voltarmos a crescer com essa política econômica

Senador Lindbergh Farias

Sem atalho
Lindbergh alerta que não há atalhos para tirar o Brasil da crise. A única solução é uma guinada radical, abandonando a trilha de arrocho adotada desde o impeachment de Dilma Rousseff. “Temer está derrubando o País. Não há a menor chance de voltarmos a crescer com essa política econômica”. A desidratação dos investimentos são um exemplo. Juntando as três esferas de governo — federal, estaduais e municipais — eles chegam a apenas 1,17% do Produto Interno Bruto.

Investimento governamental, ressalta o senador, não são “desperdício”, como querem fazer crer os tecnocratas neoliberais. São gastos capazes de desenvolver a infraestrutura do país, fazer girar para frente a roda da economia e gerar empregos. Basta lembrar da prosperidade experimentada durante o governo Lula.

Naquele período, só o gasto social cresceu 10%. “O dinheiro do governo e as empresas estatais foram usados para impulsionar o País”, com efeitos benéficos para a maioria da população. Um exemplo é a crise internacional de 2008, que não atingiu o Brasil exatamente porque Lula ampliou os investimentos públicos, barrando a maré recessiva que vinha de fora. Os bancos públicos—Banco do Brasil, Caixa Econômica e BNDES — ofereciam crédito para impulsionar desde o pequeno negócio às grandes obras de infraestrutura, gerando muitos empregos.

Lindbergh destaca particularmente a política de conteúdo local, que estabeleceu percentuais mínimos obrigatórios para o emprego de produtos e serviços nacionais em uma cadeia produtiva, estimulando a economia, como ocorreu na cadeia de óleo e gás, que gerou milhões de empregos com a construção de navios, plataformas, sondas.

Dívida crescente
Além de resultar em verdadeira razia na economia e na qualidade de vida dos brasileiros—quem não está desempregado está assustado e gastando cada vez menos—a política de Temer sequer consegue atingir o seu objetivo, que seria impedir, na base do custe o que custar, a explosão da dívida pública.

Quando Dilma deixou o governo, a dívida líquida equivalia a 39% do PIB, mas o arrocho de Temer, ao contrário de reduzi-la, já a fez saltar para 52% do PIB. “Essa receita vai destruir o País. Para melhorar a situação da dívida, a economia tem que crescer”, alerta Lindbergh. “Lula, quando assumiu a Presidência, encontrou uma dívida líquida de 60% do PIB. Ele baixou esse número para 34%, porque garantiu o crescimento econômico, a geração de empregos. Quer dizer, Lula fez o contrário do que Temer está fazendo”.

Leia mais
Às vésperas do 1º de Maio, IBGE informa desemprego recorde

Política econômica do golpe fracassa na retomada do emprego

Desmonte da indústria aprofunda precarização do trabalho

Governo destrói indústria e festeja empregos sazonais

Leia também