Governadores do Nordeste unem-se para enfrentar seca

Governadores vão discutir em Aracaju, nesta segunda-feira, com equipe de ministros, a adoção de medidas estruturantes e de socorro emergencial às populações afetadas pela estiagem. Projeções meteorológicas indicam que seca vai se agravar.

:: Da redação23 de abril de 2012 20:57

Governadores do Nordeste unem-se para enfrentar seca

:: Da redação23 de abril de 2012

 
O encontro será nesta segunda-feira (23/04), em Aracaju, Sergipe. Vários ministros estarão presentes para discutir ações emergenciais de socorro à região, particularmente para os quatro estados mais atingidos pela estiagem: Bahia, Pernambuco, Piauí e Sergipe. Não há perspectiva de chuvas para os próximos meses e a temporada das águas já se encerrou, com apenas 30% da média anual das chuvas na região. O quadro se agrava, levando um número cada vez maior de municípios a declarar estado de emergência. Nesta sexta-feira (20/04), a Secretaria Nacional de Defesa Civil, órgão do Ministério da Integração Nacional, reconheceu, o estado de emergência em mais 32 municípios de quatro estados nordestinos, elevando de 229 para 261 o número de municípios nessas condições.

Pernambuco
A estiagem derruba a produção agrícola e castiga a criação de gado. Somente em Pernambuco, estima-se que cerca de 100 mil pequenos produtores rurais do sertão já perderam suas lavouras de milho e feijão. O secretário da Agricultura e Reforma Agrária do Estado, Ranilson Ramos, estima que 300 mil toneladas de alimentos deixaram de ser produzidos, por cauda da perda de cerca de 95% nos plantios. A qualidade dos 5% restantes está comprometida com a falta d’água. 

Sergipe
Em Sergipe, 18 municípios encontram-se em estado de emergência, atingindo mais de 102 mil pessoas, que dependem da água transportada por 129 carros pipa em operação.

Bahia
Na Bahia, o número de atingidos é ainda maior: 500 mil habitantes. O estado está com 37 municípios em estado de emergência. Grandes municípios do interior baiano também enfrentam sérios problemas. Em Vitória da Conquista, por exemplo, onde não chove há mais de três meses, a capacidade da barragem de Água Fria II, que abastece a cidade caiu de seis milhões de metros cúbicos para quatro milhões. A água retirada do local para a agricultura ameaça comprometer o abastecimento de água na cidade, com população de mais de 300 mil habitantes.
Desde a última quarta-feira estão sendo distribuídas 4.630 cestas básicas para a população das regiões baianas mais afetadas. O senador petista Walter Pinheiro diz que tão importante quanto o socorro imediato das populações são as medidas estruturantes e perenes para amenizar o convívio om a seca. “Foram liberados R$ 168 milhões para a implantação de sistemas de abastecimento de água, além de recursos para aquisição de máquinas. Estamos agora buscando mais R$ 118 milhões também para sistemas simplificados de água, além de recursos para continuidade das obras das adutoras do feijão e do algodão”, disse.

Piauí
Para o estado enfrentar os danos da estiagem, o Ministério da Integração Nacional autorizou nesta sexta a liberação de R$ 15 milhões para ações de Defesa Civil no Piauí, onde há 62 municípios em estado de emergência. O dinheiro destina-se a ações de socorro, assistência às vítimas e restabelecimento de serviços essenciais em localidades atingidas pela estiagem. O governador do estado, Wilson Martins (PSB) pediu à Presidência da República a liberação de R$ 30 milhões para socorrer a população. Em Brasília, o senador Wellington Dias trabalha pela rápida aprovação de um empréstimo de R$ 350 milhões do Banco Mundial ao estado. Ele espera que, na próxima terça-feira (24/04), a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado aprove a operação.

(Com informações do Ministério da Integração, Folha de S.Paulo e Agência Brasi)

Leia também