preços disparam

Guedes massacra população mais pobre com nova alta da inflação

Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Getúlio Vargas para famílias com renda entre um e 2,5 salários mínimos acumula alta de 4,54% em 12 meses, ante 3,62% do índice geral. Com salto de mais de 10%, arroz e feijão somem da mesa das famílias. Dieese também divulgou relatório registrando alta de preços da cesta básica, entre agosto e setembro, em todas as 17 capitais pesquisadas
:: Agência PT de Notícias7 de outubro de 2020 09:19

Guedes massacra população mais pobre com nova alta da inflação

:: Agência PT de Notícias7 de outubro de 2020

Como se não bastasse o corte pela metade do auxílio emergencial, operado pela guilhotina do ministro da Economia Paulo Guedes, as famílias mais pobres são massacradas pelas constantes reduções de seu poder de compra. Índice de Preços ao Consumidor, categoria C-1, divulgado pela Fundação Getúlio Vargas, indica alta de 4,54% no preço de serviços e produtos para famílias com renda entre um e 2,5 salários mínimos em 12 meses. O índice geral acumulou alta de 3,62%.

O índice mantém tendência de alta desde junho, batendo 0,89% em setembro, ante 0,53% em agosto. A alta dos preços dos alimentos para os mais pobres tem sido uma constante do desgoverno Bolsonaro, mais uma confirmação de que, em tempos de crise, a corda sempre arrebenta do lado mais fraco, a população vulnerável.

Componentes fundamentais do consumo alimentar no país, o arroz e o feijão, tradicionais fontes de sustento do povo do brasileiro, estão desaparecendo das cozinhas das famílias. Isso porque, segundo a FGV, o IPC-C1 os dois itens da cesta básica sofreram uma alta de 1,02% para 10,64% em 12 meses. Ou seja, além da carne, o brasileiro agora agoniza para comprar produtos seculares que costumavam fazer parte da sua dieta.

O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) também divulgou nesta terça-feira relatório registrando alta de preços da cesta básica, entre agosto e setembro, em todas as 17 capitais pesquisadas. Segundo o ‘G1’, as maiores variações ocorreram em Florianópolis (9,8%), Salvador (9,7%) e Aracaju (7,13%).

Alta explosiva no preço do óleo de soja
De acordo com o Dieese, o óleo de soja e o arroz tipo agulhinha sofreram altas explosivas. As maiores altas no preço do óleo de soja foram observadas em Natal (39,62%), Goiânia (36,18%), Recife (33,97%) e João Pessoa (33,86%). Já o preço do arroz sofreu variações mais significativas em Curitiba (30,62%), Vitória (27,71%) e Goiânia (26,40%).

Em setembro, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) também constatou que a variação de preços para famílias mais pobres mais do que dobrou em comparação a das mais ricas. Segundo o Ipea, a inflação para famílias com renda mensal menor que R$ 1.650, aumentou 3,2% em 12 meses.

Já para famílias com faturamento acima de R$ 16,5 mil a variação foi de 1,5%. Em agosto, também houve alta de 0,38% para a inflação dos mais pobres e uma variação negativa de 0,10% para os mais ricos.

Confira a íntegra da matéria

Leia também