Jorge Viana acusa PF do Acre de agir à margem da lei

:: Da redação6 de junho de 2013 17:05

Jorge Viana acusa PF do Acre de agir à margem da lei

:: Da redação6 de junho de 2013

O senador Jorge Viana (PT-AC), vice-presidente do Senado, pede, em nota divulgada nesta quinta-feira de manhã, explicações ao delegado da Polícia Federal do Acre, Maurício Moscardi, sobre relatório policial produzido a partir de um encontro casual ocorrido no aeroporto de Rio Branco, durante o trajeto entre a aeronave e a área de desembarque. O senador diz que o relatório policial é “mentiroso”  por conter  “ilações premeditadas” que foram “irresponsavelmente apresentadas”.

Indignado, o senador diz também que “não é crime cumprimentar ou conversar com pessoas neste país. É crime investigar pessoas sem motivação”.
 

Leia, abaixo, a íntegra da nota de esclarecimento

QUE A JUSTIÇA SEJA FEITA

Sobre o irresponsável e mentiroso relatório do Delegado Maurício Moscardi, apresentado na sessão do Tribunal de Justiça do Acre de ontem, 5 de junho, e sobre o suposto encontro que tive com o Desembargador Pedro Ranzi no voo de Brasília para Rio Branco, devo dizer que fiquei estarrecido ao saber que a Polícia Federal monitorou a viagem que fiz de Brasília ao Acre no dia 17 de maio e que transformou em relatório um encontro casual que tive com o Desembargador Pedro Ranzi e sua esposa no ônibus que transportava os passageiros do terminal ao avião.

Além das ilações premeditadas e irresponsavelmente apresentadas, é gravíssimo também o relato mentiroso de que em determinado momento do voo, o Desembargador se dirigiu ao lugar em que eu estava e se sentou por 10 minutos ao meu lado. Devo informar que em nenhum momento tratei com o Desembargador sobre ações vinculadas a este processo e que, nem nesse dia e nem em qualquer outro até hoje, mantive qualquer contato com o Desembargador Pedro Ranzi, seja por telefone ou pessoalmente.

Não é crime cumprimentar ou conversar com pessoas neste país. É crime investigar pessoas sem motivação. É crime fazer suposição sobre tudo e todos. Uma instituição tão importante e séria como a Polícia Federal não pode conviver com ações como essa.

Não tenho dúvida de que ações feitas por membros da Polícia Federal do Acre estão à margem da Constituição e das leis. E isso não é de hoje!

A própria Operação G7 está cheia de ilegalidades e atinge pessoas inocentes. Estou pedindo explicações e providências às autoridades competentes, com a urgência que o assunto requer, e tomarei as medidas necessárias para me defender dessa ação criminosa praticada por quem deveria ser exemplo no cumprimento das leis.

Jorge Viana

Vice-presidente do Senado Federal

Leia também