Justiça decide apenas 30% dos processos em 2012

:: Da redação15 de outubro de 2013 15:37

Justiça decide apenas 30% dos processos em 2012

:: Da redação15 de outubro de 2013

Levantamento do CNJ mostra que o estoque de casos pendentes de julgamento no início de 2012 era de 64 milhões de processos

 92 milhões de processos tramitaram na
Justiça, e a taxa de acúmulo de ações
ficou em 70% (Agência Brasil)

Os processos pendentes de decisão na Justiça brasileira se acumulam ano a ano. No início de 2012, eram cerca de 64 milhões de casos pendentes de solução, segundo dados divulgados nesta terça-feira (15), pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). A pesquisa Justiça em Números 2013 traz uma radiografia detalhada do Poder Judiciário do País. De acordo com os dados, referentes a 2012, em cada 100 processos somente 30 foram encerrados. Entre as conclusões da pesquisa, o principal problema da Justiça é a dificuldade de solucionar processos antigos.

De acordo com o estudo, em 2012, 92 milhões de processos tramitaram na Justiça, e a taxa de acúmulo de ações ficou em 70%, número estável em relação a quatro anos anteriores. Segundo o CNJ, a taxa é elevada devido à pendência de processos que estão na primeira instância do Judiciário. A aglomeração sobe para 80% nas ações em fase de execução.

“O crescimento da demanda não têm possibilitado que esforços para julgar e baixar processos sejam suficientes. Mais especificamente, ao se analisar o crescimento do quantitativo dos casos novos junto com os indicadores de magistrados e servidores, observa-se que a maioria dos tribunais, com exceção da Justiça Federal, não consegue dar vazão aos processos em relação ao estoque existente”, concluiu o levantamento.

Os processos de execução fiscal representam 32% de toda a tramitação do Poder Judiciário, além de 40% do estoque pendente. São as ações que mais demandam o Judiciário. “A principal dificuldade da execução fiscal consiste na liquidação do estoque que cresce ano após ano. De cada 100 processos em tramitação, apenas 11 são baixados no decorrer do ano”, aponta a pesquisa.

Segundo a Justiça em Números 2013, o acúmulo de processos se concentra na Justiça Estadual. “Verifica-se nesse ramo relativa desproporcionalidade dos recursos financeiros e humanos em comparação aos litígios, já que [a Justiça Estadual] conta com 55% das despesas do Poder Judiciário Nacional, 70% dos magistrados, 66% de servidores, no entanto, concentra 78% dos processos em tramitação.”

A pesquisa também identificou os gastos do Judiciário em 2012. O total de despesas foi aproximadamente R$ 57,2 bilhões. O valor é equivalente a 1,3% do Produto Interno Bruto (PIB). A maioria dos gastos foi com pagamento de funcionários (R$ 50,7 bilhões), número que representa 88,7% da despesa total.

Eficiência
A partir deste ano, o CNJ começou a medir a taxa de eficiência, medida pelo Índice de Produtividade Comparada (IPC-Jus). Esse índice considera a força de trabalho do tribunal, as despesas totais, a litigiosidade e número de processos resolvidos. A partir dos dados, se estabelece a eficiência do TJ considerando a estrutura que ele tem e comparando com a atuação dos outros tribunais de acordo com o porte de cada um. Tribunais que conseguem atuar melhor considerando sua estrutura, ficaram mais próximos dos 100%.

Dos 27 TJs, dois de grande porte – Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul – e três de pequeno porte – Amapá, Mato Grosso do Sul e Acre – tiveram 100% de eficiência considerando os critérios analisados. A pior situação de eficiência é verificada em Roraima (35% de eficiência), Piauí (37%) e Tocantins (55%).

Segundo o relatório, em 2012, cada um dos 17 mil juízes do país sentenciou, em média, 1,45 mil processos, 1,4% mais que no ano anterior. Além disso, cada magistrado resolveu 1.628 casos definitivamente, 4,1% mais do que em 2011.

O número de casos julgados, diz o conselho, não acompanha o volume de processos que entram no Judiciário e, por causa disso, a taxa de produtividade não evolui consideravelmente.

“A resolução dos processos judiciais, seu julgamento definitivo e sua baixa, é responsabilidade constitucional do Poder Judiciário e de todo o sistema de Justiça. O aumento da litigância, por outro lado, é fenômeno mais complexo. A quantidade de processos que ingressam cresce mais significativamente que o quantitativo de sentenças e o de baixas.”

Custos da Justiça
Segundo dados do relatório, as despesas do Judiciário somaram R$ 57,2 milhões no ano passado, equivalente a 1,3% do Produto Interno Bruto (PIB). Por habitante, o custo é de R$ 300,48. Dos gastos, R$ 50,7 bilhões (88,7% da despesa) são com recursos humanos.

A Justiça tinha, em 2012, 17.077 juízes, dos quais 14.410 na primeira instância, 2.379 desembargadores e 82 ministros dos tribunais superiores (Supremo Tribunal Federal, Tribunal Superior do Trabalho, Superior Tribunal de Justiça, Tribunal Superior Eleitoral e Superior Tribunal Militar).

Ao todo, o Judiciário tem 390 mil funcionários, sendo 269 mil efetivos e comissionados e 121 mil terceirizados, estagiários e conciliadores sem vínculo.

Com informações do CNJ e das Agências de Notícias

Veja a íntegra da pesquisa

 

Leia mais:

Aperfeiçoamento da democracia e o combate à impunidade

https://www.ptnosenado.org.br/eleicoes-2012/27473-o-aperfeicoamento-da-democracia-e-o-combate-a-impunidade

PECs de Humberto põem fim a “prêmio” para juízes e procuradores corruptos

https://www.ptnosenado.org.br/site2017/aprovada-pec-de-humberto-que-poe-fim-a-premio-para-juizes-e-procuradores-corruptos

Na mídia: prisões por crime contra gestão pública crescem 133%

https://www.ptnosenado.org.br/site2017/na-midia-prisoes-por-crime-contra-gestao-publica-crescem-133

Leia também