Discriminação

Líder do PT aciona governo no TCU por perseguição ao Nordeste

Rogério Carvalho quer saber os motivos pelos quais Bolsonaro destinou apenas 3% dos novos benefícios do Bolsa Família para a região Nordeste
:: Rafael Noronha5 de março de 2020 15:41

Líder do PT aciona governo no TCU por perseguição ao Nordeste

:: Rafael Noronha5 de março de 2020

O senador Rogério Carvalho (SE), líder do PT no Senado, acionou o Tribunal de Contas da União (TCU), nesta quinta-feira (5), para saber os motivos pelos quais o governo Bolsonaro destinou apenas 3% dos novos benefícios do Bolsa Família para a região Nordeste, enquanto Sul e Sudeste responderam por 75% dos destinos dos novos beneficiários.

“Queremos saber do TCU o porquê de privilegiar as regiões mais ricas do País e perseguir as regiões mais pobres. Vamos lutar para garantir comida na mesa do povo mais pobre do nosso Brasil. O que é preciso para garantir o mínimo de dignidade para nossa população”, disse Rogério Carvalho.

De acordo com reportagem de O Estado de S. Paulo, por meio de dados fornecidos pelo Ministério da Cidadania, em janeiro, o governo priorizou as regiões Sul e Sudeste na concessão dos novos benefícios, apesar de a região Nordeste concentrar 36,8% das famílias em situação de pobreza ou extrema pobreza aguardando na fila do programa.

“Aparentemente o governo está perseguindo o povo das regiões Norte e Nordeste, onde tem mais de 1 milhão de famílias aguardando o benefício”, destacou o senador.

Segundo dados de dezembro de 2019, em todo o Brasil, 3,6 milhões de famílias viviam em situação de pobreza ou extrema pobreza – com renda familiar per capita entre R$ 89 e R$ 178 mensais -, estavam cadastradas no programa, mas não receberam nenhum valor.

O Sudeste, que é a região mais atendida, também possui um volume grande de famílias naquela situação fora do Bolsa Família, mas em comparação com o Nordeste, o número é menor.

Enquanto que nos nove estados nordestinos há 939,6 mil famílias vivendo com uma renda per capita abaixo dos R$ 89 mensais – maior número -, em São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo são 868,3 mil. Na região Sul, são 186,7 mil famílias em situação de extrema pobreza, e os três estados (Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná) tiveram o segundo maior número de novas concessões.

Leia mais:

Com apenas 3% do Bolsa Família, Bolsonaro persegue região Nordeste

Leia também