Seletividade da Justiça

Lindbergh critica “dois pesos e duas medidas” e perseguição implacável a Lula

Lindbergh criticou a seletividade das decisões judiciais ao comentar as liminares concedidas pelos ministros Marco Aurélio Mello e Edson Fachin em relação ao senador Aécio Neves e ao deputado Rodrigo Loures, respectivamente
:: Fernando Rosa3 de julho de 2017 19:02

Lindbergh critica “dois pesos e duas medidas” e perseguição implacável a Lula

:: Fernando Rosa3 de julho de 2017

O líder da Bancada do PT no Senado Federal, senador Lindbergh Farias (PT-RJ), afirmou hoje no plenário “que só há um caminho para o Juiz Sergio Moro: absolver o Presidente Lula, porque não há provas”. Para Lindbergh o que há é uma perseguição implacável contra o Presidente Lula, que não é dono do tríplex. “Condenar o Lula sem provas?! Esse pessoal perdeu completamente a noção!”, alertou o senador.

Lindbergh criticou a seletividade das decisões judiciais ao comentar as liminares concedidas pelos ministros Marco Aurélio Mello e Edson Fachin em relação ao senador Aécio Neves e ao deputado Rodrigo Loures, respectivamente, na última sexta-feira. “Eu pergunto: essa decisão teria acontecido se fosse um parlamentar do PT, do Partido dos Trabalhadores?”, questionou o senador. Lindbergh lembrou que, no caso do Delcídio (do Amaral), o ex-senador ficou 85 dias preso e só saiu da prisão porque fez delação premiada para tentar incriminar o Lula.

O líder da bancada petista destacou que ao longo da história, o PT sempre defendeu direitos e garantias fundamentais. “Quando defendemos o princípio da presunção da inocência, o devido processo legal, é porque sabemos que, na ‘hora h’, a corda arrebenta sempre em cima dos mais pobres, dos trabalhadores, das populações mais vulneráveis”. Lindbergh citou o caso do jovem Rafael Braga, negro, pobre e segue injustamente preso, desde as manifestações de 2013.

[blockquote align=”none” author=”Senador Lindbergh Farias (PT-RJ), líder da Bancada do PT no Senado Federal”]”Eu pergunto: essa decisão teria acontecido se fosse um parlamentar do PT, do Partido dos Trabalhadores?”[/blockquote]

No pronunciamento, Lindbergh disse que Aécio Neves deve desculpas ao Senado Federal e ao povo brasileiro. “Um ano e dois meses depois, este golpe está desmoralizado, seus principais capitães, Eduardo Cunha, Aécio Neves, Michel Temer, são responsáveis pela crise econômica, pelos 2,5 milhões de desempregados. Para Linddbergh, “o que chama atenção e o que choca as pessoas são dois pesos e duas medidas, a seletividade”, conclui Lindbergh.

Veja o pronunciamento na íntegra:

 

Leia também