Participação popular

Ministro do STF acata liminar do PT sobre conselhos populares

Em decreto, Jair Bolsonaro (PSL) extinguiu conselhos populares e violou o modelo constitucional de formulação e fiscalização de políticas públicas pela sociedade
:: Agência PT de Notícias2 de maio de 2019 10:49

Ministro do STF acata liminar do PT sobre conselhos populares

:: Agência PT de Notícias2 de maio de 2019

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), acatou a Ação Direta de Inconstitucionalidade, com pedido de liminar, do Partido dos Trabalhadores (PT) para que seja votado no Plenário, em caráter de urgência, o decreto de Jair Bolsonaro (PSL), que visa extinguir colegiados da administração pública federal.

No entendimento da oposição, a extinção dos conselhos viola o modelo constitucional de formulação e implementação de políticas públicas, que demanda participação e fiscalização popular.

Na justificativa, o ministro Marco Aurélio diz: “A edição, pelo Executivo, do ato em jogo revela usurpação de competência do Congresso Nacional, no que versa matéria cuja regulamentação é reservada a lei em sentido formal, relativa à ‘criação e extinção de órgãos da Administração Pública’. Aduz imprópria a supressão, mediante decreto, de colegiados expressamente instituídos por lei em sentido formal, tendo em vista a reserva legal”.

Outro trecho: “Argui violados os princípios republicano, democrático e da participação popular, articulando com o disposto no artigo 1º, cabeça e parágrafo único, da Constituição Federal. Segundo assevera, considerada a ‘ Política Nacional de Participação Social’, os Conselhos, no que revestidos de caráter consultivo, consubstanciam ‘ferramenta de efetivação da democracia brasileira’, porque instrumentalizam diálogo permanente entre o governo e os diversos grupos organizados da sociedade civil e ampliam ‘a participação democrática do povo nos rumos das políticas públicas ou na efetivação dos direitos garantidos legal e constitucionalmente’. Sublinha ser a ampla participação dos cidadãos na condução dos assuntos estatais exigência ínsita ao Estado Democrático de Direito”.

Confira a íntegra da matéria

Leia também