stop bolsonaro

Mobilização contra Bolsonaro tem protestos em 19 países

Evento reflete convocação de ativistas articulados em 59 cidades no mundo
:: Rafael Noronha11 de outubro de 2020 15:04

Mobilização contra Bolsonaro tem protestos em 19 países

:: Rafael Noronha11 de outubro de 2020

A mobilização mundial contra o governo Bolsonaro, identificada pela hashtag #StopBolsonaroMundial, alcançou as principais posições entre os tópicos mais compartilhados no Twitter na manhã deste domingo (11). O evento reflete a convocação de ativistas articulados em 59 cidades de 19 países. Esta é a terceira edição do movimento que alerta para a destruição ambiental operada pelo governo brasileiro.

“O movimento Stop Bolsonaro Mundial vem, desde junho deste ano, denunciando as atrocidades cometidas por uma gestão voltada aos interesses da elite, dos bancos e dos ricos. Para favorecer o agronegócio, o governo incentiva a destruição do meio ambiente e é negligente quanto às ações de combate aos incêndios florestais, muitos deles criminosos, que têm atingido a Amazônia, o Pantanal e o Cerrado”, afirma a nota dos ativistas que convoca para as mobilizações virtuais.

“Bolsonaro mente quando fala em aparições na ONU e ainda ignora os alertas e apelos de ambientalistas internacionais. A devastação promovida por Bolsonaro e sua cúpula é sem precedentes na história do Brasil e no mundo”, destaca ainda a mobilização #StopBolsonaroMundial.

“StopBolsonaroMundial em frente ao Congresso Nacional. 150 mil vidas perdidas. Um presidente irresponsável que tem desprezo pela vida”, destacou o senador Rogério Carvalho (SE), líder do PT, apontando a irresponsabilidade do governo na gestão da pandemia que vitimou mais de 150 mil pessoas em todo o Brasil.

“Na sua terceira edição, a mobilização #StopBolsonaroMundial denuncia, mais uma vez, a destruição das florestas, a negligência do governo em relação à pandemia da Covid-19, o demonstre do Estado e a ausência de políticas públicas”, destacou o senador Humberto Costa (PT-PE).

Foto: Alessandro Dantas

Com informações da Rede Brasil Atual

Leia também