Na mídia: juro médio do cheque especial é o menor desde 2008

Reportagem do site G1 revela que a taxa média caiu de 9,52% ao mês para 8,46%. No empréstimo pessoal, caiu para 5,43%, o menor desde 2011.

:: Da redação16 de maio de 2012 17:55

Na mídia: juro médio do cheque especial é o menor desde 2008

:: Da redação16 de maio de 2012

Com base em pesquisa feita pelo Procon-SP, a reportagem do site G1 mostra que a estratégia do governo federal de levar os bancos a baixar as taxas de juros vem surtindo efeito. Dilma disse ser “inadmissível” que o Brasil, com “um dos sistemas financeiros mais sólidos e lucrativos, continue com um dos juros mais altos do mundo”.

Leia a íntegra da matéria do G1:

A taxa média de juros do cheque especial e do empréstimo pessoal voltaram a cair em maio, mostra pesquisa divulgada nesta quarta-feira (16/05) pela Fundação Procon-SP.  No cheque especial, a queda foi de 1,06 ponto percentual, passando de 9,52% ao mês para 8,46%. Segundo o órgão, é a menor taxa média mensal desde março de 2008, quando registrou 8,20% ao mês.

No empréstimo pessoal, houve queda de 0,35 ponto percentual na taxa média, passando de 5,78% ao mês, em abril, para 5,43% em maio – a menor desde março de 2011, quando registrou 5,42% ao mês.

A pesquisa foi realizada em 2 de maio. Dos sete bancos pesquisados pelo Procon (Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander), quatro baixaram a taxa do empréstimo pessoal e dois baixaram a taxa do cheque especial.

Apesar do movimento de redução da taxa básica de juros (Selic) e dos juros praticados pelos bancos, o Procon recomenda cautela diante da publicidade em relação a oferta crédito ao consumidor.  A orientação é para que, antes de qualquer contratação, o consumidor pesquise bem, compare as taxas mais adequadas ao seu perfil, e avalie o custo total da operação e da sua capacidade de pagamento. “O crédito traz vantagens quando utilizado com cautela e planejamento. O consumidor pode se valer destes juros reduzidos na quitação de débitos pendentes ou na antecipação de financiamentos mais caros”, afirma a diretora de estudos e pesquisa da Fundação

O movimento de reduções de juros dos bancos começou em abril, após o governo anunciar um pacote de R$ 60 bilhões para estimular a produção da indústria brasileira. O Governo Federal vem pressionando os bancos para reduzirem o “spread” – a diferença entre o que o banco “paga” para captar recursos e quanto ele cobra para emprestar – e, assim, reduzir as taxas de juros cobradas no país. Com a redução dos juros dos bancos estatais o governo estaria buscando acirrar a concorrência e, assim, forçar os bancos privados a também baixarem as taxas cobradas.

Com a redução da Selic de 9,75% para 9% ao ano, os bancos voltaram a anunciar novas reduções nas taxas de juros para as operações de crédito. Em seu esforço para reduzir as taxas de juros, o governo anunciou, inclusive, mudanças nas regras do rendimento da caderneta de poupança.

A presidente Dilma Rousseff tem defendido publicamente a redução dos juros no Brasil. Em pronunciamento em rede nacional no dia 1º de maio, ela cobrou redução maior nas taxas de juros por parte dos bancos privados e classificou como “inadmissível” que o Brasil, com “um dos sistemas financeiros mais sólidos e lucrativos, continue com um dos juros mais altos do mundo”.

Veja a íntegra da pesquisa no site do Procon. 

G1.com

Leia também