Por mais direitos

Paralisação de trabalhadores expõe riscos dos serviços de entrega

Projeto de Lei do senador Jaques Wagner quer assegurar direitos básicos para os entregadores, como possibilidade de associação, valores hora de trabalho, seguro de vida e seguro desemprego
:: Da redação1 de julho de 2020 11:17

Paralisação de trabalhadores expõe riscos dos serviços de entrega

:: Da redação1 de julho de 2020

Durante a pandemia da Covid-19, e devido ao isolamento social, milhões de pessoas começaram a contar ainda mais com os serviços de entregas, sejam de comida, remédios ou documentos.

O que muita gente não conhece é a precariedade das condições de trabalho a que são submetidos os entregadores de empresas nacionais e multinacionais.

Para expor estas condições, e exigir melhorias e direitos trabalhistas, milhares de entregadores por aplicativos fazem uma paralisação inédita nesta quarta-feira, primeiro dia de julho. Por não terem sindicatos ou associações, não se sabe quantos trabalhadores vivem das entregas. Mas, apenas em São Paulo, segundo dados dos próprios apps, são 50 mil.

O paulistano Paulo Lima, conhecido como Galo, é uma das lideranças deste movimento. Em live sobre a paralisação, ele rechaça a ideia de que entregadores são empreendedores. “Os empresários falam que somos empreendedores e fazemos nossos horários, mas quem faz os horários não somos nós, somos nossas dívidas. (…) O que faz meu horário é a minha geladeira vazia”, afirma Galo, enfaticamente.

A lista de reivindicações está feita, e sendo negociada com as grandes empresas de entregas. Alguns pontos desta lista são o aumento do valor por quilômetro rodado, aumento do preço mínimo a receber por entrega, equipamentos de proteção, seguro por roubo, acidente e vida, fim dos bloqueios indevidos (quando a empresa bloqueia um entregador injustamente).

“Se você não sai, não ganha. Eu machuquei o joelho, caí da moto, fiquei dez dias parados. Dez dias que não ganhei nada. Não tenho nenhum tipo de seguro. Não recebo INSS, não recebo nada. Não tenho nenhum aporte”, conta Diógenes de Souza, que está trabalhando como entregador desde abril, depois que foi demitido pelo kartódromo onde trabalhava, em São Paulo.

Projeto quer garantir direitos

Para assegurar os direitos mínimos dos trabalhadores de aplicativos, o senador Jaques Wagner (PT-BA) apresentou, nesta terça (30), o projeto que cria a Lei Geral de Proteção dos Trabalhadores de Aplicativos de Transporte Individual Privado ou Entrega de Mercadorias (PL 3570). O objetivo é garantir, principalmente durante a pandemia, que o grupo tenha acesso a benefícios indispensáveis e estabelecer condições dignas de trabalho para milhares de brasileiros.

“Muitos motoristas, ciclistas e motociclistas estão se sentindo na condição de explorados. Está prevista uma greve nacional para amanhã, 1º de Julho. Precisamos estar atentos a esses fenômenos de vazio legal e, mediante intensas negociações, evitar que esses trabalhadores continuem fragilizados durante a pandemia”, defende Wagner.

A matéria garante, especialmente, a criação de sindicatos e cooperativas para que possam apoiar e controlar atividades realizadas por meio dos aplicativos. Essas associações deverão negociar com as empresas que utilizam as plataformas pontos como valor mínimo por hora de trabalho, auxílio-alimentação, plano de saúde, seguro de vida, fornecimento de equipamento de proteção individual e relatório com todos os serviços prestados, valores recebidos e avaliações dos profissionais. Os prestadores de serviço deverão estar inscritos na categoria de contribuintes individuais da Previdência Social ou como Microempreendedores Individuais (MEI).

O projeto estabelece, ainda, a instituição de Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (CIDE), que será paga pelas plataformas. O valor será destinado a ações de proteção social, seguro desemprego e seguros em caso de acidente.

“Hoje, o modelo praticado no Brasil repassa vários dos riscos da empresa para o trabalhador, que fica totalmente descoberto. Em outros países, a legislação já caracteriza os motoristas de aplicativos como empregados das empresas. Precisamos garantir mais organização e fortalecimento dos laços entre esses trabalhadores”, completa o senador.

Senadores do PT apoiam a paralisação 

A sociedade foi convidada a apoiar a paralisação dos entregadores por aplicativos. Desde ontem, nas redes sociais, há um grande movimento para que sejam suspensos os pedidos, chamados delivery, em solidariedade ao movimento dos trabalhadores.

A bancada do PT no Senado também apoia a paralisação. Em suas redes sociais, os senadores petistas se manifestaram:

 

Ver essa foto no Instagram

 

Nosso apoio a Greve dos entregadores. A escravidão moderna, continua sendo escravidão. Chega de exploração!

Uma publicação compartilhada por Rogério Carvalho 🇧🇷 (@rogeriocarvalhooficial) em

 

Ver essa foto no Instagram

 

Os serviços dos entregadores de aplicativos — Rappi, iFood, UberEats e outros — têm sido essenciais para que mantenhamos o isolamento social exigido na contenção da pandemia. Esses trabalhadores, porém, estão submetidos a condições de trabalho desumanas. Exercem a atividade sem qualquer garantia ou direito trabalhista, sem remuneração fixa e sem segurança. Estão sob risco permanente de contrair a doença—e de ficarem sem renda se não trabalharem. Nosso mandato, é parceiro dos entregadores. Defendemos melhores condições de trabalho para todos, com taxas justas, alimentação durante a jornada de trabalho e mais segurança. #ifood #rappi #uberEats #grevedosentregadores #covid19 #coronavirus #brasil #aplicativo

Uma publicação compartilhada por Jean Paul Prates (@senadorjpprates) em

 


Leia a íntegra do Projeto de Lei

Com informações da assessoria do Senador e do Brasil de Fato

 

 

Leia também