Por que os jornais omitem história de vida de José Dirceu?

:: Da redação12 de junho de 2012 14:00

Por que os jornais omitem história de vida de José Dirceu?

:: Da redação12 de junho de 2012

O produtor cinematográfico Luiz Carlos Barreto assina, nesta terça-feira, um dos artigos do espaço Opinião, da Folha de S. Paulo, com o artigo “¿Por qué no lo matan?”, dedicado a José Dirceu. O texto descreve a trajetória política do ex-ministro e dirigente do PT, e questiona porque a história de resistência e combate à ditadura de Dirceu é solenemente esquecida pelos jornais, “como se ele tivesse nascido com o mensalão”. E registra: “O tom é sempre de acusação, tratando de atos e práticas ilegais como se ele, na sua trajetória de animal político militante corajoso, só tivesse contabilizado ações negativas”.

Leia, em seguida, a íntegra do artigo:

Fidel Castro estava fascinado pela beleza e graça das irmãs Nabuco -Nininha e Vivi-, filhas dos anfitriões dona Maria do Carmo e José Nabuco, que abriram as portas da mansão da rua Icatu, no Rio de Janeiro, para recepcionar o líder da vitoriosa revolução Cubana.

Ela viera para agradecer ao embaixador brasileiro em Cuba que, durante os duros tempos de luta contra o ditador Batista, deu apoio aos guerrilheiros do exército fidelista.

Intelectuais e políticos de todas as tendências se misturavam nos salões. Todos procuravam Fidel para tirar um papo, mas o comandante só tinha olhos para Nininha e Vivi.

O pessoal da esquerda, quando conseguia um pouco de atenção, aproveitava para falar mal de Carlos Lacerda, governador da Guanabara.

Cansado e irritado, meio em tom de “broma”, de ouvir as queixas contra Lacerda, Fidel, querendo se ver livre, mandou: “¿Lacerda es un hombre como nosotros? ¿Tiene brazos, piernas? ¿Camina por la calle?”

“Si, si”, disse um dos “reclamões”.

“¿Entonces por qué no lo matan?”, disse Fidel, encerrando o papo.

O episódio não me sai da cabeça quando leio, quase todo dia, notícias sobre José Dirceu nos jornais.

O tom é sempre de acusação, tratando de atos e práticas ilegais como se ele, na sua trajetória de animal político militante corajoso, só tivesse contabilizado ações negativas.

Sua trajetória é sempre contada a partir de 2004, como se tivesse nascido com o “mensalão”. Não se fala na sua trajetória de líder estudantil que se entregou de corpo e alma à luta contra a ditadura militar. Prisão, exílio, retorno ilegal ao Brasil, clandestinidade -Dirceu jogou sempre toda sua energia pela democracia.

Anistiado, se filiou ao PT, coerente com sua visão de mundo.

Sua disciplina, sua vocação de estrategista, sua capacidade de trabalho e seu talento de transformar teoria em ação o elevaram a líder do PT. Afirmou-se assumindo sem medo a tarefa de acomodar no partido as diversas tendências, desde as mais radicais de esquerda às quase conservadoras, consolidando o primeiro partido de massa do Brasil.

Dirceu, apesar de sua formação de classe média e conhecimento acadêmico, teve a capacidade e humildade de entender o papel reservado a Lula. Reconhecendo a sua inegável qualidade de líder de massa, soube estruturar com o PT e a sua militância a grande revolução pacífica e democrática acontecida em toda a história republicana do Brasil.

Nos primeiros dois anos, a desconfiança das classes dominantes em relação ao governo Lula era enorme, como confidenciou-me um parrudo banqueiro: “Não sabíamos qual seria o exato momento que o governo Lula viraria a mesa”.

Não se pensava noutra coisa a não ser evitar que Dirceu tivesse tempo e espaço para isso. Num desses almoços de entidades empresariais, ouvi o seguinte: “Zé Dirceu é a cabeça pensante, Lula é o líder mobilizador do sentimento popular. Vamos cortar a cabeça que o corpo cai”.

Os oito anos de Lula serviram para destruir o mito de virada de mesa; o que o Lula virou mesmo foi o jogo do poder, priorizando políticas para as áreas social e econômica, o que resultou no Brasil de hoje, cada vez mais sólido internamente e respeitado internacionalmente.

O governo Lula mostrou também que José Dirceu não é uma cabeça sem corpo e que nem Lula é um corpo sem cabeça. Eles são carne e osso, são “hombres como nosotros y caminan por las calles”.

“¿Entonces por qué no los matan?” 

Luiz Carlos Barreto produziu, entre outros, “Lula, o Filho do Brasil”, “Dona Flor e seus Dois Maridos”, “O que é Isso, Companheiro?”, “O Quatrilho” e “Bye, Bye, Brasil”

 

Leia também