Participação popular

PT aciona STF contra o fim dos conselhos populares

“A extinção dos conselhos reforça esta tendência histórica, inclinando a administração pública a uma dinâmica decisória apartada da sociedade civil”, critica Humberto Costa
:: Rafael Noronha15 de abril de 2019 12:29

PT aciona STF contra o fim dos conselhos populares

:: Rafael Noronha15 de abril de 2019

O Partidos dos Trabalhadores (PT) e as respectivas bancadas na Câmara e no Senado acionaram o Supremo Tribunal Federal (STF) em decorrência da inconstitucionalidade do Decreto 9759/19 assinado por Jair Bolsonaro, na última quinta-feira (11), no qual extingue dezenas de colegiados da administração federal com participação da sociedade civil.

De acordo com o decreto, os colegiados que contam com participação social serão extintos a partir de 28 de junho. Dentre eles, poderão ser extintos colegiados que discutem temas como direitos do idoso, política indigenista, transportes, trabalho e Previdência.

Na avaliação do líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), o documento assinado por Bolsonaro é inconstitucional por invadir a competência da lei ao determinar, por meio de decreto, a extinção de conselhos criados anteriormente por lei. Além disso, o decreto também viola o princípio da segurança jurídica, ao promover a extinção geral dos órgãos colegiados.

“Como está redigido o decreto, os atuais conselheiros sequer sabem seu respectivo conselho se seu respectivo conselho seguirá existindo. O Estado brasileiro se caracteriza por um afastamento frente às demandas populares e pelo autoritarismo. A extinção dos conselhos de participação reforça esta tendência histórica, inclinando a administração pública ao isolamento burocrático e a uma dinâmica decisória apartada da sociedade civil”, critica Humberto.

Projeto visa revogação de decreto
Na última sexta-feira (12), o senador Humberto Costa também protocolou um Projeto de Decreto Legislativo com o objetivo de sustar os efeitos do decreto presidencial que prevê a extinção dos conselhos.

A Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais lamentou a edição do Decreto e afirmou que a d       ecisão de Bolsonaro é “antidemocrática” além de causar impactos na “falta de transparência na aplicação dos recursos públicos”.

“A participação autônoma das organizações e movimentos sociais nos conselhos de políticas públicas é a melhor forma da sociedade civil envolver-se na definição dessas políticas, definir prioridades e fiscalizar a atuação do governo. O encerramento ou congelamento desses órgãos e conselhos de políticas públicas é uma medida antidemocrática e que irá impactar a sociedade por conta da falta de transparência na aplicação dos recursos públicos”, apontou a entidade.

Leia também