“Queremos a maior transparência possível”, diz líder sobre Pasadena

:: Catharine Rocha25 de março de 2014 14:54

“Queremos a maior transparência possível”, diz líder sobre Pasadena

:: Catharine Rocha25 de março de 2014

Humberto quer explicações detalhadas sobre a compra da refinaria americana pela Petrobras

Humberto: governo tem interesse em
esclarecer todas as dúvidas

Assunto principal das manchetes de jornais desde a semana passada, a compra da refinaria de Pasadena (EUA), pela Petrobras, é o mais novo assunto do debate político. Na manhã desta terça-feira (25/03), com o apoio expresso do líder do PT e da Bancada de Apoio ao Governo, Humberto Costa, duas comissões do Senado aprovaram requerimentos de convite para trazer o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão e a presidenta da Petrobras, Graça Foster, para explicar aos senadores como se deu a compra que vem sendo questionada pela grande mídia, postura automaticamente adotada pelos maiores partidos de oposição – PSDB e DEM.

“O Governo tem todo interesse que quaisquer dúvidas sejam respondidas da forma mais transparente possível”, afirmou Humberto, ao defender a aprovação de quatro requerimentos dos senadores Rodrigo Rollemberg (PSB-DF) e Randolfe Rodrigues (PSol-AP) pedindo a vinda de Edison Lobão e Graça Foster, na Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA). Com o apoio do líder petista, os requerimentos foram aprovados por unanimidade.

Outros dois requerimentos de Randolfe Rodrigues – um para trazer novamente o ex-presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, ao Senado, outro para ouvir o ex-diretor da Área Internacional da estatal quando a compra foi realizada, Nestor Cerveró – deverão ser votados na próxima reunião da CMA. Antes de aprovar o convite, o senador Humberto Costa achou pertinente consultar Gabrielli sobre sua disponibilidade de vir, já que, em agosto do ano passado, à mesma comissão, o ex-presidente da estatal, durante quatro horas, tentou esclarecer os senadores sobre o processo de aquisição da refinaria.

“O ex-presidente da Petrobras, quando esteve aqui, explicou exaustivamente o negócio e convenceu todos os parlamentares. Por isso, vamos analisar se precisa vir agora ou não”, explicou Humberto aos jornalistas. Ao ser questionado sobre a viabilidade de instalar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o caso, apesar da vinda dos agentes do governo, o senador petista afirmou ser preciso ter cautela com a “disputa política”.

“É bom lembrar que vários órgãos de fiscalização estão investigando não só essa questão, como outras. Há que se tomar cuidado com disputa política antecipada. E tomemos como exemplo a CPI do Cachoeira que terminou com um relatório de duas páginas sem indiciar ninguém”, frisou Humberto.

Audiência conjunta

Minutos depois do debate sobre os requerimentos na CMA, o senador Rodrigo Rollemberg apresentou pedidos de convite semelhantes na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE). O mesmo acordo foi adotado, conforme observou o presidente da CAE, senador Lindberg Farias (PT-RJ). “Vamos fugir a regra desta comissão de ler requerimentos numa reunião e votar apenas na seguinte, para apreciar os convites a presidente da Petrobras, Graça Foster, e o ministro Edison Lobão”, afirmou.

Em mais uma demonstração do absoluto interesse do Governo em esclarecer a compra de Pasadena, o senador Eduardo Suplicy (PT-SP) elogiou a iniciativa: “Acho importante haver a oportunidade de explicar a questão”.

No decorrer desta semana, outras comissões podem aprovar requerimentos similares aos aprovados nesta manhã. A intenção dos senadores é reunir todas as comissões com interesse sobre o caso em uma audiência conjunta. Mesmo assim, há a possibilidade de Edison Lobão e Graça Foster cumprirem agenda no Senado em ocasiões diferentes, para que os senadores possam também questionar o ministro sobre a eficiência do setor energético brasileiro.

Catharine Rocha

Leia mais:

Gleisi alerta: CPI para investigar Pasadena mira nas eleições

O jogo de interesses da oposição e a Petrobras

Gabrielli: Matéria da Veja sobre Pasadena está lastreada na desinformação


Leia também